sexta-feira, outubro 31, 2014

Três poemas de Rafael Lima

Stephen B Whatley

CRISTO

Um dia andávamos todos espalhados.
Cada um seguia seu caminho.
Não havia companhia e nem ajuda.
Era um triste destino, seguirmos sozinhos.

Mesmo desunidos, muitos tinham esperança.
Esperavam por algo novo e renovador.
A fé os mantinha firmes e seguros.
Eles esperavam a nova aliança,
Que seria Aquele vindo direto do SENHOR.

No tempo certo Ele veio,
Muitos o reconheceram e grandiosamente o amaram
Mas outros só lhe deram o desprezo.
Eles não criam em Seus sinais e maravilhas
E ainda buscavam pegá-Lo em armadilhas.

Mas que força tem o homem perante o SENHOR?
Que pode fazer contra DEUS, um pobre pecador?
Eles nada puderam fazer para detê-Lo.
JESUS andava, curava, ensinava, resgatava.
E a fé dos seus discípulos só aumentava.

Em meio aos de fé, um fraquejou.
E por poucos dinheiros ao SENHOR entregou
O Justo, o Filho do Homem, foi oprimido!
Como ovelha inocente foi levado ao matadouro.
E lá recebeu um terrível e doloroso castigo.

Não havia n’Ele condenação alguma.
Os reis que O julgaram, não encontraram culpa.
Mas os “sábios” do povo não aceitaram
E por conta própria O crucificaram.

Naquela cruz foram pagos os pecados,
Os meus, os seus, de todos nós.
Com sacrifício extremo, a culpa expiada.
E as almas dos pobres pecadores foram salvas.

Depois da dor e do sofrimento, veio à morte.
Naquele momento algo grande aconteceu.
A terra tremeu, o véu se rasgou,
Inquietação em todos os lugares,
O firmamento se escureceu.
Chorou-se muito por aquele hebreu.



Após três dias, DEUS o resgatou.
Com seus anjos fez a pedra rolar
Seu filho unigênito e querido ressuscitou.
E aos seus se mostrou e se deu a reconhecer
Assim os fiéis viram o poder de DEUS.

Que para sempre a morte venceu.


Submissão

Neste mundo DEUS está agindo,
Para nós, Ele não precisa se explicar.
Ele é o SENHOR DEUS Todo-Poderoso,
E somente a própria vontade fará.

Por mais que achamos algo errado,
Nunca devemos ir a DEUS para questionar,
Somos somente meros pecadores,
O que DEUS faz, devemos aceitar.

O SENHOR é supremo em toda decisão,
Ele não age segundo o nosso coração.
DEUS faz o que é melhor para Seu plano,
DEUS não faz conforme o desejo humano.

Ele é o DEUS que sabe de tudo,
O SENHOR que governa todo o mundo.
Nem sempre o que ocorre vai nos agradar,
Mas como bons filhos, nossas cabeças vamos abaixar.

O SENHOR gosta de nossa submissão,
Assim mostramos a Ele a obediência no coração.
Negando a nossa própria vontade,
Confiando n'Aquele em que está a verdade.


Mudança vinda de DEUS

Somos todos pobres e pecadores,
Vivíamos guiados por outros senhores.
Estávamos atrás de outros valores.
Não importando se nos causavam dores.

Por muito andamos por caminhos errados.
Se DEUS estava aqui, íamos pelo outro lado.
Seguindo coisas estranhas e inúteis.
E buscando nossas vaidades fúteis.

Mesmo assim o SENHOR nos amou,
Uma mudança em nossas vidas, Ele determinou.
O Teu Santo Espírito veio sobre nós para transformar.
As nossas vidas tortas, começaram a se consertar.

As nossas vidas foram aos poucos mudando,
Em novas pessoas fomos nos transformando.
O que era velho e sujo, não mais ficou,
Uma nova pessoa, com novo desejo, brotou.

Nasce um convertido ao SENHOR,
Fruto do verdadeiro e puro amor.
Amor forte para que pudesse resgatar,
Um amor capaz de minha alma salvar.

Visite o blog do autor: http://poesiasparadeus.blogspot.com.br/

sábado, outubro 25, 2014

A poesia cristã de Carlos Nejar




Eva
A culpa toda
me reveste
e eu nua.

Ouvi o que
a serpente
sussurrava
e caí.
Com Adão.

Nos desterrou
o anjo.
Era o conhecimento
de um pudor
ou soluço.

O que pode
a dor,
se nenhum traço
nos julga?

Com medo,
escondo a face.
E opaco, nulo
o riso. Tudo
é desconhecido
fora do paraíso.



Bem-aventuranças

Bem-aventurados os pássaros,
as nuvens, as madrugadas.
Bem-aventurados são os pássaros.
Para eles
todos os dias
são todos os dias.
Reais, antigos, tutelares.
Nós, coitados,
não sabemos
que fazer deles.
Queremos os dias
limpos, arrumados
com cadeiras.
Felizes os pássaros.
O mar é um animal feliz
e as coisas imaginadas
alí existem.
Bem-aventurados são os pássaros:
não pensam em liberdade
porque voam nela
sem idade.
Nós, coitados,
nem sabemos
que fazer dela.
A nós, o cisco,
o mar baixo.
Arriadas velas,
as ações com elas,
os pensamentos arriados.
Jamais o ir adiante
até onde
a resistência manda
que se ande,
até onde
perca seu comando
e vá seguindo
quando
for chegando.
Bem-aventurados os pássaros!

sábado, outubro 18, 2014

Dois poemas missionários de Jonathas Braga


O Clamor dos Perdidos

As estrelas estão brilhando no infinito
como brilham no oceano indívagos faróis:
será que estão ouvindo o doloroso grito
dos que sofrem na terra, anônimos e sós?

Há lágrimas de sangue e a dor é de granito:
quem pode sufocar no peito a própria voz
se, em cada ser humano há um coração aflito
e em cada coração o sofrimento é atroz?

Observa quanto é triste e amarga a realidade:
a dúvida aniquila a pobre humanidade
e a nuvem da ilusão para o abismo a conduz...

Pois então já não vês que o mundo todo é um ermo?
E por que onde exista um coração enfermo,
não levas a eternal mensagem de Jesus?


Missionários

Esses que lá se vão pelos sertões bravios,
através dos matagais, transpondo as cordilheiras,
rasgando sem cansaço, as selvas brasileiras,
atravessando vaus, abismos, fontes, rios;

Levam o Pão da Vida aos entes erradios
que vivem a chorar de fome nas lareiras,
sem esse Pão que dá conforto nas canseiras
e as almas alimenta em seus transes sombrios.

São eles os titãs que lutam com denodo
contra a cegueira e contra a idolatria,
para os mortais tirar do mundanário lodo...

Emissários de Deus, vão eles cada dia
levando este Evangelho a todo homem, a todos
que vivem sem a luz que as almas alumia!

Do livro Antologia Missionária (JUERP, 1967)

terça-feira, outubro 14, 2014

O Bezerro de Ouro, poema de J.T.Parreira


O BEZERRO DE OURO
(Khet ha'Egel (חטא העגל) ou O pecado do bezerro)



São estes ó Israel os teus deuses, que te tiraram
o ouro das vossas mulheres, as vossas amadas
argolas
as orelhas ficaram sem brilho, ficaram mais livres
as vossos cofres.


Estes são os teus deuses
que vos deslumbram, com pouca coisa
se faz deuses


Estes são
os teus deuses que trazeis ainda
escondidos nos vossos olhos, nas gargantas
das margens do Nilo, estes são os teus deuses
que estremecem, extáticos de cegueira, enquanto
extenuais a terra com as danças


Estes são ó Israel os teus deuses
que encheram no Egipto de cebolas
os teus olhos.


9-10-2014

quinta-feira, outubro 09, 2014

A poesia de Margarete Solange Moraes


Lázaro

Lázaro, onde estás agora,
Dormes sendo dia?
E teus amigos choram.
Tuas irmãs Marta e Maria
Avisam ao Mestre para vir te ver,
Mas Ele tardou, por quê?
Agora não adianta mais...
O moço jaz numa tumba fria,
Nada mais pode ser feito,
Não tem jeito.
Há somente uma esperança:
Ressuscitar no último dia.
De repente uma visita se anuncia.
O amigo tardou, mas veio...
Ele não esquece os seus.
Maria, o Mestre te chama.
Marta, o Mestre te ama.
Vem, senta-te aos seus pés...
Triste dia em Betânia,
Aldeia de Marta e de Maria,
Jesus chorou por aqueles
Que não tinham fé.
- O morto já cheira mal...
Para o Mestre não importa
Quanto tempo faz,
Quando Ele chega ao que crer,
Tudo pode acontecer.
Não tardes quando o
Mestre te chamar:
Lázaro, vem para fora.
Lázaro, vem sem demora.
Lázaro, o Mestre te chama!
- Tirai a tira...
Não duvides, vem!


Boas Novas

Em Jerusalém morre Jesus de Nazaré, 
Pendurado no madeiro
Como um malfeitor qualquer.
Num cenáculo fechado,
Choram os discípulos, inconformados.
Pelas ruas uma corajosa mulher
Sozinha caminha,
Vai ao horto prantear o Mestre morto.
O sol sorrindo aquece a manhã do terceiro dia.
Flores de tantas cores, olhos repletos de lágrimas não viam.
Dos pássaros jubilosos ouve-se a cantoria,
Vozes de um coro angelical.
Por um instante estanca o pranto,
Silêncio no jardim onde o morto jazia.
Apressa o passo,
Nenhum guarda por lá se via.
Aturdida, contempla a pedra removida,
O túmulo violado, o corpo roubado.
Ressurge o pranto, lamenta ressentida:
Sequer deixaram o Mestre em paz descansar.
E não se percebe até então envolvida por um imenso clarão.
Um esplendor celestial anuncia boas novas de alegria
Que Maria ainda não podia compreender.
Até que um jardineiro com dulçor
Surge ao seu lado vindo lhe socorrer.
Turbada, soluça embalada pela dor
De repente perder seu Mestre novamente.
Mas Jesus num brado se denuncia
E a alma da discípula salta de alegria:
Coros celestiais cantam vitória,
Nas alturas, glória: Jesus ressuscitou!
Na voz de uma simples mulher
A grande nova surgia:
- Irmãos amados, não temais, abram a porta.
É Maria pra dizer com alegria
Que o Mestre ressuscitou!



Do livro  
O crente não escolhe, 
é um escolhido (Poesias e crônicas)
Editora Queima Bucha, 2011 




Solange é autora de nove livros, abarcando poesia, crônicas, contos e romances. Visite os blogs da autora:
http://escritoravidaeobra.blogspot.com.br/
http://nossoliterariobloguinho.blogspot.com.br/
http://soucontigo.blogspot.com.br/

quinta-feira, outubro 02, 2014

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL Uma Antologia Poética - Baixe grátis o livro


Sofro da estranha mania de organizar antologias.  Já são mais de dez. Some-se a esse furor antologista meu fascínio pela Segunda Guerra Mundial, fixação de infância, sendo mesmo anterior ao meu interesse pela literatura, e que ao longo dos anos nunca arrefeceu.
     Eis esboçado então o cenário para que eu volte à carga em minha maltrapilha sina de tapa-buracos das mal a(r)madas estantes de poesia: a esta altura do ano da graça de 2014, decorridos 69 anos do fim do maior conflito bélico e da maior exibição de atrocidades que a humanidade já vivenciou, não lhe parece, amigo leitor, de espantar que não exista uma antologia de poetas ou poemas da Segunda Guerra em nossa bibliografia lusófona, neste caso mais culposa e especificamente na brasileira (pois afinal Portugal manteve-se ‘neutro’ no conflito)? Tal lacuna sempre me pareceu digna de nota. Nos EUA tais antologias de guerra são comuns – você poderá contar com umas duas dezenas delas, de variados alcances e focalizações editoriais.
     Busquei coligir para esta seleta apenas poemas de autores contemporâneos ao conflito, e de países diretamente envolvidos na guerra. Sejam war poets “clássicos” (soldados-poetas que participaram em algum momento da guerra, engajados em exércitos regulares), sejam vítimas (população de países subjugados, judeus e minorias étnicas, críticos e inimigos ideológicos do regime), sejam partisans e combatentes das resistências que pululavam nas mais diversas frentes do conflito. E também o que se poderia chamar de poetas expectadores, que, embora nativos de países envolvidos na guerra, apenas a acompanharam pelos canais noticiosos, caso de alguns poetas dos EUA e de outros países americanos, como o chileno Pablo Neruda e brasileiros como Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes e outros.
Esta é uma antologia breve – são apenas 134 páginas, mas que oferecem um significativo panorama de grande valor literário e histórico da riquíssima poesia produzida no período da SGM, ao abarcar em suas páginas grandes poetas de 17 diferentes nacionalidades.

Autores antologiados:
Bertolt Brecht (ALE) - Abgar Renault (BRA) - Carlos Drummond de Andrade (BRA) - Cecília Meireles (BRA) - Murilo Mendes (BRA) - Vinícius de Moraes (BRA) - Pablo Neruda (CHI) - Ivan Goran Kovacic (CRO) - Vladimir Nazor (CRO) - Archibald MacLeish (EUA) - Dudley Randall (EUA) - John Ciardi (EUA) - Karl Shapiro (EUA) - Randall Jarell (EUA) - Stanley Kunitz (EUA) - T. S. Eliot (EUA/ING) - Louis Aragon (FRA) - Paul Eluárd (FRA) - Pierre Emmanuel (FRA) - René Char (FRA) - Giorgos Seferis (GRE) - Odisséas Elýtis (GRE) - Tasos Leivaditis (GRE) - Gerrit Kouwenaar (HOL) - Jan Campert (HOL) - Gyula Illyés (HUN) - István Vas (HUN) - János Pilinszky (HUN) - Miklós Radnóti (HUN) - Dylan Thomas (ING) - Edith Sitwell (ING) - Keith Douglas (ING) - W.H. Auden (ING/EUA) - Giuseppe Ungareti (ITA) - Primo Levi (ITA) - Salvatore Quasímodo (ITA) - Sadako Kurihara (JAP) - Tamiki Hara (JAP) - Hirsh Glick (LIT) - Czeslaw Milosz (POL) - Zbigniew Herbert (POL) - Paul Celan (ROM) – Jaroslav Seifert (TCH) - Margarita Aliguer (URSS) - Marina Tzvietáieva (URSS) - Mikhaíl Dúdine (URSS) - Olga Fiódorovna Bierggólts (URSS) - Pável Antokólski (URSS) - Siemión Gudzenko (URSS)

Para baixar o livro pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o livro (ou ler online) pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o livro (ou ler online) pelo site Issuu, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, por favor, solicite-me o envio por e-mail: sammisreachers@ig.com.br


Buscando manter-me fiel ao meu princípio de produzir e disponibilizar bons livros, sempre gratuitamente, galgo mais um degrau em minha quixotesca empresa, mas ciente das dificuldades de divulgação que um trabalho de outsider assim encontra, principalmente através dos canais estabelecidos. Por isso, conto com cada um de vocês, leitores desta obra, para divulgá-la, republicá-la e passá-la adiante. A cultura é uma ação: precisa de agentes. Colabore!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...