terça-feira, janeiro 31, 2017

Salmo do dependente químico


Salmo do dependente químico

A droga é meu guia,
nada me faltará.
Ela atende os meus anseios:
leva-me aos pratos desejados
e às fontes do meu maior prazer.
Refrigera-me a alma aflita
e cansada dos becos sem saída...
Mas logo, sem querer, mergulho
num porão escuro, onde encontro,
de mãos dadas, o prazer e a morte.

Sinto medo, o chão treme sob os pés
e gela a alma dentro de mim.
Vou e faço uso novamente,
mas nem a droga me tira a fissura.
Desejo sumir, mas pra onde?...
Corro pra casa, antigo refúgio,
acho a minha mãe em oração,
ela sofre por mim, também adoeceu.
Isso me fere o peito, me dói.
Tomo um banho, sento à mesa,
janto, fumo, troco umas palavras
com minha mãe e outras pessoas,
nem assim me sossega o espírito.

Um olhar, uma palavra qualquer
aflora a minha agressividade...
Penso que nenhuma bondade
habita mais o meu coração.
Sinto vergonha de mim!...
Percebo que fiz as pazes com a morte,
até já pedi pra morrer,
pois sei que posso matar alguém.

Ando estranho, frio, insensível...
Todos sabem, nunca fui assim!
Faço tudo pra me conter,
mas, confesso, tenho medo de mim.

Valdomiro Pires de Oliveira


Fonte: Revista Alvorada #71 (Out/Nov/Dez 2012).

Amigo leitor, convido você que tem sofrido com a dependência química de qualquer tipo a ler este texto: Como libertar-se dos vícios

quinta-feira, janeiro 26, 2017

POESIA DO ALTO, e-book de Karla Fernandes para download gratuito


A jovem autora Karla Fernandes publicou há pouco tempo seu primeiro livro, Poesia do Alto, em formato e-book, pela Amazon.
Dona de uma escrita forte e promissora, Karla é uma grata surpresa em nossa poesia. 
A apresentação do livro deixa claro o teor de sua literatura: "Esta obra é a seiva de uma alma devota. As poesias aqui apresentadas são expressões de diálogos com Deus. 
Temas como, morte, vida, solidão, paz, amor, e uma gama de outros, que circulam nossas vidas são expressos de modo bem íntimo e compreensível. Algumas das poesias surgiram em meio a orações, outras se tornaram orações após surgirem como poesias!"
E a boa notícia é que o livro está disponível para download gratuito no site da Amazon, mas somente até o dia 29 deste mês. Por isso corra e garanta o seu exemplar!

Acesse o site, crie uma conta (caso não possua uma) e faça o download:

domingo, janeiro 22, 2017

Dois poemas de Marion Martins

Juan Gris
Foge o Tempo

Coisa estranha me acontece
Fico aqui a meditar
Porque o relógio das horas
Gira horas num piscar

Do jeito que a coisa anda
Você não se espante não
Se de manhã você planta
E a noite já colhe o grão.

Sem ritmo, sem pausa
Num louco pulsar
O tempo, sem contratempo
Parece não vai parar

Dia nasce, dia morre
E eu mal posso acompanhar
O correr alucinado
Do calendário lunar

Na virada da semana
Não dá nem pra reparar
Se é sexta ou segunda-feira
Só vejo o domingo passar.

Já é hora de dormir
Hora de dormir já?
Mal me deito, já levanto
Pra de novo me deitar.

Chego a ficar mesmo tonta
Com tanta abreviação
E já não mais faço conta
Se é inverno ou verão

Ao fazer assim, poesia
Posso por força parar
E o disparar louco do tempo
Não pode me atropelar

Não posso compreender
Toda essa alteração
Ou mudou o seu compasso
Ou será só impressão?

De toda coisa que faço
Tenho mesmo a sensação
Que muito do tempo gasto
Já passou de antemão

Talvez porque sem sentido,
Não vejo a hora passar,
E tenho então por perdido
O tempo que não vai voltar

Quem sabe se a cada marca
Do ponteiro eu conquistar
Algo de novo na vida
Tudo ao normal voltará

No girar vertiginoso
Horas e minutos se vão
Meu coração bate ligeiro
Apressado em aflição

Se não é o meu amado
Que me espera logo mais
Com certeza eu queixaria
Deste tempo tão fugaz

Tudo sentido alcança
E as horas não contam não
Quando fico meditando
Nas obras de tuas mãos

Dias, semanas e meses
Anos e anos também
Vão passando sem descanço
E nenhum sentido tem

Apenas pra mim que te amo
E vejo este tempo passar
Anseio ver neste ano
Um outro depressa chegar

Cada dia é um a menos
E chega a dar aflição
De encerrar logo esse tempo
Esperando a salvação

Minha ansiedade, se vê
É o tempo depressa passar
Pra logo bem depressinha
Com Jesus poder ficar

E aí, na eternidade
Não importa o tempo não
Que felizes para sempre
Alegria gozarão!

Por falar agora em tempo,
vou por aqui encerrar
Essa prosa tão comprida
De nunca mais acabar

Logo acima o derradeiro verso
Pra dizer assim adeus
A você que gastou tempo
Mas nada comigo aprendeu!


Fogo e Água

Fogo que lambe
Fogo que incendeia
Fogo que rastreia
Por todo o meu ser

Águas claras
Águas cristalinas
Fogo que ilumina
E que me faz arder

Chama viva
Que queima e não consome
Eu sei qual é Teu nome
 E agora vou dizer

Fogo e água
Chama e ardor
Teu nome é Deus vivo
Teu nome á amor

Aquele que diz amar Deus e não ama a Seu irmão é mentiroso.

segunda-feira, janeiro 16, 2017

Citações Missionárias: A cada dia uma nova frase missionária em sua timeline


A página Citações Missionárias é a nossa mais recente iniciativa de promoção missionária. A cada dia, pontualmente às 8:00h da manhã e durante todo o ano de 2017, uma nova frase é publicada (veja alguns exemplos abaixo).
Uma ferramenta de edificação e reflexão, para você curtir e compartilhar!

Conheça a página, deixe seu like, compartilhe com seus irmãos as imagens (no próprio Facebook, e em outras redes sociais):
https://www.facebook.com/citacoesmissionarias






sábado, janeiro 07, 2017

Três poemas de Luiz Flor


POEMA I

Ofício do pedinte: pedir.

O que mais pode fazer?

Ofício do abastado: desprezar.
É o que sabe fazer.

Ofício de Deus: retribuir.


POEMA V

(A propósito do Salmo 40)

Agora minha alma canta
Porque meu coração está alegre.
Já não tenho os pés na lama
O Senhor fez meus passos leve.

Tanto quanto proclamei minha dor
Proclamarei teus feitos Senhor.
Faça meu coração bondoso
Pra indicar a outros um final para o viver lastimoso.

Confiar em Ti com esperança
E não inventar a própria saída
É o mote feliz pra vida.


Confissão

Minha querida
Meu amor por você não é como
O de Romeu e Julieta
Eu não tenho a coragem deles
Tirar minha vida dizendo que é por amor
Talvez eu seja um fraco
Talvez eu seja um covarde
Não me ponha em teste
Quero mesmo que você
Me tenha por sábio
Portanto, quero convidar você
A morrermos juntos aos poucos
No correr dos anos
E que sejam muitos os anos
Até que cheguemos ao fim
E em cada dia espero ter você
Por muitos anos junto de mim
Viver junto de você
Aí, sim, eu tenho coragem
Quero provar meu amor assim
Querida e se os dias puderem
Não acabar tanto melhor
Tanto melhor pra nós
Tanto melhor pra mim

Visite o blog do autor: http://dicadoflor.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...