domingo, junho 12, 2022

VAI PUBLICAR UM LIVRO? Confira algumas dicas para economizar

 


Na auto publicação de um livro (quando você paga para publicar) são muitos os gastos e, caso você não possua habilidades de editoração, as editoras podem fazer todo o serviço por você. Claro, cobrando preços consideráveis, cuja variação é a maior que já vi, dentre todos os mercados que conheço (até o farmacêutico!). O que em uma (por exemplo, criação de capa) pode sair a 80, noutra pode sair a 300, noutra a 700!

O ideal é correr preços, consultar aqui e ali, solicitar orçamentos. Uma dica: As editoras/gráficas com melhores preços se garantem tanto que seus preços JÁ ESTÃO NOS SITES, sem você precisar solicitar orçamento. Ou há preço fixo ou você mesmo calcula o seu gasto no site, inserindo as características do seu livro, quantidade etc. Bons preços (principalmente para livros já prontos) são praticados pela Livro Rápido, Letras e Versos (já utilizei) e Garcia (já utilizei), dentre outras. Não estou dizendo para ir fazer seu livro com essas, cito nomes APENAS para lhe dar um norte em suas pesquisas, um ponto de partida. Ah, antes de fechar um negócio, aqui como em tudo, passe no site Reclame Aqui e veja os problemas que a empresa costuma apresentar (https://www.reclameaqui.com.br/ ). É melhor que chorar depois!

Bem, talvez você mesmo possa fazer a sua capa, tendo alguns conhecimentos rudimentares de edição e manipulação de imagens e arquivos (nada profissional, e o Youtube pode lhe ensinar mais coisas do que você imagina), e utilizando sites gratuitos como Canva, onde já fiz diversas capas (https://www.canva.com/design/DAFDZV-0qHA/CnhCUn2miICfziTZp4cyBQ/edit ). 

Dentre os muitos serviços que você talvez não saiba fazer, e acaba pagando para as editoras realizarem, três deles são os seguintes:

Ficha Catalográfica;

ISBN;

Código de Barras do ISBN.

Por esses três serviços, uma editora cobra em média 300 reais.

Acontece que VOCÊ mesmo pode gerar esses itens. Basta acessar o site da Câmara Brasileira do Livro (https://www.cblservicos.org.br/precos/ ), criar seu cadastro e solicitar os serviços, que são entregues em dois ou três dias. Veja os preços (consultados em 12/06/2022):

Ficha Catalográfica: R$ 30,00

ISBN: R$ 22,00

Código de barras do ISBN: R$ 36,00

 

Quer mais uma dica? Você NEM PRECISA pagar pelo código de barras: De posse do número de ISBN de seu livro, você pode acessar o site https://products.aspose.app/barcode/pt/generate/isbn e gerar seu código de barras DE GRAÇA.

 Por hoje é só. Agora mova-se, tire o seu projeto da gaveta!


Sammis Reachers

www.poesiaevanglica.blogspot.com

 

 

quinta-feira, junho 02, 2022

Três poemas de Ana Luiza Sathler

 


TEOLOGIA EM POESIA

 

Teologia é estudo

Que não para em teoria

Conhecer o grande Deus

Meu andar, pois, contagia

 

Canto com os Salmos

Dele falo com o agir

Medito sobre Seu Reino

Em poesia posso ouvir

 

Quero ser contigo rima

Nas estrofes do meu ser

Nos versos da minha história

Declamá-lo, o meu viver

 

 

SOLA SCRIPTURA

 

Somente a Escritura, e ela somente

O Livro inspirado é suficiente

Lei e testemunho, a regra de fé

A revelação de Deus ela é

 

Sozinha ensina para salvação

Com fiel Verdade, não opinião

Revigora a alma, dá sabedoria

Ilumina os olhos, fonte de alegria

Pratica a Escritura, puro mandamento

Todo proceder neste fundamento

Uma só Verdade Palavra da vida

Registro infalível, graça concedida

A vontade eterna que é sempre cumprida

 

 

SOLUS CHRISTUS

 

Somente Cristo e nada mais

Quem justifica o incapaz

Unicamente por sua vida

Salvou a alma corrompida

 

Pois Ele é santo, o Deus Filho

E se entregou como um novilho

Que foi punido sem ter culpa

Por meu pecado sem desculpa

 

Minha desgraça expiou

Quando seu sangue derramou

Nisso eu fui justificado

E com o Pai reconciliado

 

E lá no céu me fez morada

Que não seria conquistada

Sem perfeita intercessão

Do que me deu a salvação


Do livro Teologia em Poesia (Ed. O Estandarte de Cristo, 2021).


sexta-feira, maio 20, 2022

Sobre o 24 de maio e a experiência de John Wesley - Um poema de Elaine Cezar da Silva

 


Sobre 24 de maio

Um encontro, uma mudança.
O inesperado o alcança.

Um homem, um coração.
Uma real transformação.

Uma experiência, um calor.
Uma presença que arde em amor.

John Wesley e o Metodismo.
A fé que moveu e reconstruiu
A fé que rompeu o comodismo.

Um coração aquecido é mais que emoção.
É a mão no arado, é o olhar cheio de amor
para aqueles que sofrem com injustiça e a dor.


No dia 24 de maio de 1738, na rua Aldersgate, em Londres, John Wesley passou por uma experiência espiritual extraordinária, que mudou sua vida e os rumos da igreja, na Inglaterra e também no mundo. Leia mais sobre isso AQUI.


terça-feira, maio 10, 2022

JESUS, O NOSSO DEUS MISSIONÁRIO, artigo de Jefferson Magno Costa


Jefferson Magno Costa

     Plantar a semente de Vida Eterna nos corações; não impressionar-se com a aridez do solo, a agudeza das pedras, a altura das montanhas e a profundidade dos vales, o rigor do sol e a inclemência dos ventos e da chuva, é dever de todos nós, discípulos de Jesus; nós, que custamos a dor e o precioso sangue do Filho de Deus.
     Nosso Senhor Jesus Cristo é um Deus missionário. Ele veio ao mundo para resgatar a todos nós para Si. O pastor norte-americano D. T. Nils disse certa vez que o ato de evangelizar “é um mendigo contando a outro onde encontrar pão”. Conscientizados de que, como cristãos, nosso maior dever é falar do amor do Filho de Deus ao mundo inteiro, apresentaremos a seguir, como contribuição ao trabalho de Missões nas igrejas, alguns poemas de temática evangelístico-missionária.


SALMO
Murilo Mendes

Ó Tu que mandaste um serafim
purificar os lábios de Isaías com um carvão ardente,
limpa meu coração de todo desejo impuro.
Imprime em mim Tua cruz que desconhece limites.
Faze com que eu renegue a ciência do mundo.
Apaga em mim o encanto pelas conquistas do tempo.
Inspira-me para que eu possa inspirar os outros.
Digna-Te descer a todo instante na minha alma.
Cairão fábricas, palácios e choupanas;
cairão museus, teatros, bibliotecas,
os poetas e os falsos salvadores do mundo.
Mas um anjo de asas unindo o universo de ponta a ponta
levará Tuas palavras até o fim do mundo e por toda a eternidade.


POEMA LIDO NOS MEUS OLHOS
Jefferson Magno Costa

Outros antes de mim
empunhem armas e lutem,
arem a terra,
governem os povos,
busquem a imortalidade
na página, na pedra,
na carne, na tela,
no vento.
 Quanto a mim,
tentarei despertar nos homens
o pensar na vida eterna,
o desejar conhecê-la e possui-la,
estabelecer a necessária conversação
entre eles e Deus.
Ao sol, sob os ventos, semeando nos corações,
pelo Caminho Eterno irei,
questionando o amor, a morte e a vida
irei, rumo ao país da Perpétua Aurora.
E isto é tudo.


SÚPLICA
Emílio Moura

Os inquietados, os loucos, os que ainda
não Te descobriram, e os que nada compreendem,
os que pararam e os que jamais tentaram a grande jornada,
todos eles, Senhor, estão comigo neste momento.
Comigo estão todos os que perderam a grande partida.
Comigo estão, Senhor, todos os que Te deixaram
e os que não souberam amar-Te.
Comigo estão os que não Te amam nem Te compreendem,
os que te negam porque são felizes,
e os que te negam por que são infelizes.
Senhor, todos eles estão agora
na minha insônia e na minha desolação, como a presença
da morte está na máscara dos que nada esperam.
Matai-os em mim, Senhor.


CONFISSÃO
Benedita de Mello Amaral
(poetisa cega)

De cem ovelhas, cada qual mais branca,
apenas eu fui que saí fugida;
e feia e triste e desgarrada e manca,
hoje confesso que fiquei vencida.

Agradecendo a quem me deu guarida
e, quando pode, o meu gemido estanca,
prossigo ainda bendizendo a vida,
esperançosa, resoluta e franca.

Pastor do Céu que todo o bem promove!
Deixei-te perto e me perdi além!
É noite escura, relampeja, chove.

Vem compassivo procurar-me, vem!
Ao teu rebanho de noventa e nove,
deixa que eu volte a completar as cem!


quarta-feira, abril 27, 2022

O Cerrado secou?!, poema de Silas Figueiredo Nunes


 O cerrado secou?!


Terra muy seca,

Cascalhos habitam o meu coração.

Calor a beça, galhos tortos, peno nessa insolação.

.

Semente lançada a sorte,

Não sou robusto, médio porte.

Suportando a faísca da morte,

Felizmente não passei pelo corte.

.

Sofrendo na sequidão,

quieto, quebro e choro;

Por apenas uma gotícula 

de salvação!

.

Árvore de casca dura,

folhas secas ao vento.

Orvalho pode ser a cura.

A espera do alento.

.

O Criador de mim não esquece,

O guardião manda torrentes de paixão.

As raízes se firmam, engrandece.

Brotos, flores e frutos da renovação.

.

Secou a sequidão.

O amor inundou.

Alagou o coração.

E o Cerrado abundou!


quinta-feira, abril 14, 2022

Aldravias: Quatro poemas de Pedro Garrido



deuses

de 

pedra

já 

nascem

mortos



me

amou

antes

de

haver

mundo



poema

grão

tão

(des)pequeno

que

(r)existe



sou

verso

inspirado

pelo

verbo

criador


Do livro Duo.

Você pode ler mais poemas e reflexões do autor em seu perfil no Instagram.

"A Aldravia é um poema sintético, minimalista. O poema é constituído numa linométrica de até seis (6) palavras-verso. Esse limite de seis palavras se dá de forma aleatória, porém preocupada com a produção de um poema que condense o máximo de significação com um mínimo de palavras, conforme o espírito poundiano de poesia, sem que isso signifique extremo esforço para a sua elaboração. O estilo poético foi criado no Brasil, entre 2000 e 2010" (Flavia Rohdt, in O Pantaneiro).


terça-feira, março 29, 2022

Quatro poemas de Eduardo Reck



O Senhor da Guerra

Acastelado em seus palácios 
O senhor da guerra decide invadir e conquistar 
E não se importa com o órfão abandonado 
E não se importa com a viúva do soldado 

Na segurança de seus palácios 
O senhor da guerra ordena destruir e atirar 
E não se importa com o sangue derramado 
E não se importa com o menino mutilado 

E quem vai ouvir o clamor do inocente? 
Quem vai se levantar contra esta guerra? 
Quem vai cuidar de toda essa gente? 
E reconstruir de novo essa terra? 

Quem se colocará como instrumento do Senhor 
Pra restituir a justiça e a verdade? 
Quem ouvirá esse imenso clamor 
Que sobe aos Céus, e clama por piedade? 


PALAVRA ETERNA

Cresce a flor, seca-se a erva
Nasce o sol e  torna a se pôr
Estabelecem-se reis, criam-se impérios
Reinos gloriosos, se desfazem em cinzas
Heróis e valentes, tolos e fracos
A todos o tempo um dia silencia.

Os céus e a terra hão de passar
Os montes ruirão, os rios secarão
Mas Tua Palavra há de permanecer,
As Tuas promessas não vão perecer
E ainda que tarde irei esperar
Pois certamente não falhará.





OLHE PARA JESUS

Se queres saber o quanto Deus é grande
Olhe para o céu e tente medir, o estrado dos seus pés
Se queres saber o quanto Deus é forte
Olhe para o mar e tente conter, a fúria de suas ondas

Mas se queres saber o quanto Deus te ama
Olhe para cruz, e o amor de Jesus, que por ti veio morrer
E se os gigantes vierem te cercar
E o inimigo contra ti, se levantar

Olhe para o céu, olhe para o mar
E lembre-se do Seu poder
Olhe para a Cruz, olhe pra Jesus
E Ele te fará vencer




LIÇÃO DE AMOR

Vede quão grande amor, Cristo nos revelou,
Pois Ele sendo Senhor, a Si mesmo se esvaziou.

E entre nós Ele habitou, e mostrou-nos a sua luz,
Mas o povo a quem tanto amou, feriu suas costas pregou-o na cruz.

Vede quão grande dor, Cristo por nós suportou
Pois mesmo sendo Senhor, em momento algum reclamou.

E Ele poderia ter clamado, e o Pai o ouviria,
Poderia ter ordenado, e o sofrimento cessaria.

Ele poderia dizer, Pai eu não sou culpado.
Não quero morrer, por quem só me tem rejeitado.

Vede quão grande amor, Cristo nos revelou,
Pois sendo eu pecador, Seu sangue por mim derramou.

E em silêncio, foi crucificado, de braços abertos Ele se ofereceu,
Como oferta pelo meu pecado, foi por mim que Ele morreu

E depois de todo sofrimento, deixou-nos o Grande Rei
Somente um mandamento: Amai-vos como Eu vos amei.

Vede quão pouco amor, temos lhe retribuído
Pois conhecendo ao Senhor, Será que temos lhe obedecido?

Quem está disposto a cumprir seu mandamento?
Quem está disposto a amar sem fingimento?
Não importando a dor, amar só por amor

Leia muitos outros poemas no blog do autor: http://versosgospel.blogspot.com/

quarta-feira, março 16, 2022

Três poemas de Aldair Santos



CONTRASTE

 São dois pensamentos profundos

São duas éticas, dois mundos
São duas ofertas consideráveis
São dois polos antagônicos
São dois extremos inaproximáveis

São duas vozes chamando:
Às vezes baixinho, às vezes gritando
São duas portas abertas, duas escolhas concretas
São dois que conhecem o interior do homem
Dois que o chamam, dois que o consomem
São dois caminhos a escolher, duas estradas a ver
Qual é o teu caminho?

Um oferece vida, outro oferece morte
Um chama à porta, outro oferece a sorte
Um te oferece sublime esperança em pensamentos,
Outro te oferece esperança falsa, maléfica em seus intentos
Um te dá ética da liberdade, outro de dá a ética da loucura
Um te oferece riqueza e felicidade, outro te oferece… só a riqueza
Um te dá a liberdade de escolha e a escolha pela liberdade,
Outro diz que não escolher já é optar por ele,
Qual é o teu caminho?

São duas vivências ofertadas
Um oferece vida vivida, outro oferece vida bandida
São dois tipos de paz oferecidas
Uma é de cima e permanente, outra é de baixo e sofrida
São dois clamores aos teus ouvidos
Um diz verdade em abundância, outro diz falsidade e discordância
Qual o teu caminho?

Há sempre uma escolha a ser feita
Cruzar os braços e não escolher não significa não escolha
Significa a opção pelo caminho de cruzar os braços
Daqui a pouco a vida passa
São duas vozes gritando: “é por aqui!”, “não, é por aqui!”
Porém, há uma grande diferença:

Uma oferece Cristo, a outra oferece o caos…


COMPLETUDE

Minha mente devaneia

Penso que penso
Repenso dispenso impenso
Meu mundo vaga, chora
Descortino a inconsciência

Meu nascente é a escuridão
Preciso do teu toque
Aio para meu caminhar

O silêncio é a minha voz
Preciso de tuas palavras
Inefáveis vibrações sonoras

O vácuo é o que ouço
Preciso de tuas mãos
Sinais de vida que falam

Meus pés rodam
Empurram minha vida sentada
Encontro muralhas no caminho
Luto e escalo

Tateio inclusão
Sonho
Busco sensação
Solidariedade
Compreensão

Encontro confusão
A frieza do coração
Indiferença
Incompreensão

Preciso de tua mão
Inclui-me em ti

Então tu serás feliz
E completo

Poema publicado na antologia “Café e Literatura” – Editora Clube de Autores – 2021.


BOM DIA SEU POETA

Homenagem a Carlos Drummond de Andrade

Tu que ficas aí do lado esquerdo da vida
Pescando palavras e a ferida cutucando
Poetizas o mundo inteiro numa só dormida
E inspiras o vento de vez em quando

Bom dia seu poeta
Que olhas o azul do céu com olhos verdes
Que com rimas minha sede sacia
Embalando pensares em poéticas redes
Em infinita inspiração que desafia

Bom dia seu poeta
Que alças a voz com narrativas trágicas
Escrevendo páginas na história da vida
Amas sofres sonhas  e fazes mágicas
Em rima livre solta desfingida

Bom dia seu poeta
Que escreves mortes e vidas,  amigas
Com jeito literário de quase amar
Contróis contos e no coração intrigas
Resilientes letras que teimam sonhar

Seu poeta bom dia
Pois já não sei se é noite ou dia
Só sei do que és feito
Vida alma e peito

Feito de poesia


Leia mais textos no blog do autor: https://aldairsantosrr.wordpress.com/


quinta-feira, março 03, 2022

Poemas de John Donne - Artigo de Roberto Torres Hollanda



Roberto Torres Hollanda

http://www.nassau.mus.br/

                   Por causa da medonha e cruel Pandemia (que parece ser impossível de chegar ao fim; se a vontade divina quiser, somente no dia certo acabará), fui levado para a Asa Norte de Brasília, onde sentimos igualmente sua ameaça.

                   Comentando o flagelo sanitário e social imposto pelo COVID-19, de alcance mundial, num sermão o pastor Francisco Carlos Soares de Menezes combateu a ansiedade, agora exarcebada, e resumiu o desfecho com a expressão “Deus não tem pressa”.

                   Tive, então, fazendo uma pausa, bastante tempo para ler alguns poemas, que entraram na hinodia, escritos por um dos mais importantes literatos da Inglaterra, talvez o poeta inglês mais original depois de Shakespeare.

                   John Donne (1572-1631) pelos críticos literários Ben Jonson (1572-1637) e John Dryden (1631-1700) foi associado ao movimento barroco denominado “poesia metafísica”.

                   T.S.Eliot (1888-1965) reavaliou o trabalho de Donne e de outros poetas “metafísicos”, assim definidos pejorativamente pelo crítico Dr. Samuel Johnson (1709-1784). Os ásperos ritmos do poeta Donne aborreceram os ouvidos do crítico.

                   Donne era admirado pelos intelectuais George Herbert (1593-1633) e John Milton (1608-1674).

                   No século 17, a literatura e a música da Inglaterra estavam no apogeu: as peças teatrais de Shakespeare, as críticas de Jonson e Dryden, os poemas de Donne, Herbert e Milton, a alegoria de Bunyan e a versão bíblica de James I.

                   Quando reinaram Stuarts, houve luta entre calvinistas e anglicanos, católicos romanos e católicos protegidos pela Coroa inglesa, entre políticos elizabetanos e jacobitas. Na Europa, ainda propagavam-se a Reforma (protestante) e a Contra-Reforma (católica).

                   Em breve período (1620-1630) Donne foi digno sucessor de William Shakespeare (1564-1616); não sei se Donne em sua poesia retrucava os versos do Bardo, porém a minha consciência introspectiva, por ele ter sido notório pecador, mas regenerado como poeta religioso, diz que Donne teve maiores oportunidades do que o seu modelo literário.

                   Donne também contribuiu para a renovação da poesia do seu tempo; substituiu as alusões mitológicas por conceitos originais; na poesia “metafísica” a conceituação tem muitaimportância. Na mentalidade da época, importava, e muito, o tema da morte, quase sempre tratado melancolicamente.

                   Por ser católico romano, foi discriminado em setores intelectuais (Oxford e Cambridge). Com efeito, abandonou o Catolicismo romano (era ilegal) e entrou numa terceira via.

                   Antes mesmo de tornar-se católico anglicano, entendia a morte de maneira diferente: “quem vier cavar nossa sepultura nos levará, a bispo ou a monarca, quais relíquias” (soneto “The Relic” – A relíquia). Donne adotou a ortodoxia anglicana para se habilitar à ordenação como sacerdote da Igreja oficial.

                   Em 1601 tinha sido demitido do cargo de secretário particular (advogado?) de lorde Egerton, por ter casado secretamente com Anne More; John e sua esposa tiveram 10 filhos.

                   Entretanto, James I (Jaime ou Tiago, rei, 1603-1625) ordenou que John se tornasse ministro anglicano. Em 1611 foi publicada a “King James Version”, obra de uma comissão de 50 eruditos.

                   John Dowland (1563-1626), o maior compositor inglês de música para alaúde, apadrinhou o ingresso de Donne nos círculos palacianos. Por isso, John foi nomeado, em 19 de novembro de 1621, capelão do rei e deão da catedral de São Paulo, em Londres; alí foi um notável orador sacro, talvez, modelo para os sermões do padre Antônio  Vieira (1608-1697).

Nessas funções continuou a ser discriminado por alguns confrades; ele, Dowland, outros poetas e músicos, foram “cancelados” por terem sido “papistas” (católicos ingleses subordinados ao papa). Dowland tinha conseguido, em 1612, ser empregado pela corte inglesa como lutenista de James I. Ele tinha lutado por oportunidades de trabalho na França, Alemanha e Dinamarca. Na Itália, envolveu-se, o que era natural acontecer, com católicos romanos. Sua visão de mundo era profunda e trágica (pecado, pranto e morte); sua obra é melancólica.

                   O jovem Pelham Humfrey (1647-1688), em seu estilo patético, musicou o poema religioso “To God, the Father”. 

                   No século 20, Donne não foi citado por Alphonso Gerald Newcomer em sua “History of English Poetry”.

                   A obra póstuma de Donne (publicada em 1633) compõe-se de: I – poesia profana: a) canções; b) sonetos; c) elegias: d) sátiras. II – poesia religiosa: a) poemas (sonetos); b) hinos. III – prosa: a) devocionais: b) sermões.

                   Donne influenciou Ernest Hemingway (1899-1961) com a meditação devocional XVII “never send to know for whom the bell tolls; it tolls for thee” – nunca mandes indagar por quem o sino dobra; ele dobra por ti.

                   John Dowland (1563-1626) foi dos primeiros compositores a aproveitar peças literárias de Donne, com a canção profana “Go and catch a falling star” – Apanha a estrela cadente; trata-se de peça de cunho misógino; além dessa, compôs “Sweet stay a while” e “To ask for all thy love”.

                   A obra de Donne expressa o realismo e a objetividade de sua vida; nela a Morte é lugar-comum em seus sermões, como nas cantatas sacras de J.S.Bach (1685-1750).

                   Tanto em prosa quanto em verso, Donne se preocupa com a morte e o conflito entre corpo e alma.

                   Num verso de caráter político, manifesta sua submissão ao rei Jaime I: “O my America! My new-found land, my kingdom, safeliest when will one man manned – Oh, minha América!

Oh, meu novo continente, meu reino (a Inglaterra), a salvo porque um homem, e não uma mulher, tens à frente. Além de machista, é imperialista: “My mine of precious stones, my empire, how blest am I in this discovering thee!” – Minhas minas de pedras preciosas, meu império; que abençoado sou por descobrir a ti!. James I recitava, com muita satisfação, estes versos.

                   Para dar uma noção a respeito da poesia religiosa (hinos) de Donne, transcrevo e traduzo:

a)   “Hymn to God, my God, in my sickness”:

 

1.   Since I coming to that holy room where with Thy choir of saints, for evermore, I shall be made Thy music; as I come, I tune the instrument here at the door, and what I must do then, think here before. 

– Oh, Deus, meu Deus, em minha enfermidade: Como ao sacro aposento estou para chegar, onde sempre estarei, afino aqui, antes de entrar, meu instrumento, meditando sobre o que devo fazer ao passar por Teus umbrais.

                   4. Is the Pacific Sea my home? Or are the eastern riches? Is Jerusalem? Anyan, and Magellan, and Gibraltar, all straits, and none but Straits, are ways to them, whether where Japhet dwell, or Cham, or Shem 

– Será verdade que o Oceano Pacífico é meu lar? As riquezas do Oriente? Ou é Jerusalém?

Seja por Anyan (estreito de Bering), Magalhães, ou Gibraltar, somente estreitos, não mais do que estreitos (Donne, irônicamente, diz que esses lugares só foram importantes depois de conquistados pela Inglaterra), são caminhos para a terra de Jáfé, ou a de Cam, ou a de Sem (não sou um “ressentido”, como explicado por Harold Bloom, mas creio que Donne, nestes versos, põe na boca do Império Britânico os seus projetos expansionistas; faz referência aos três filhos de Noé, cujos descendentes repovoaram a Europa, a África e a Ásia, e ao “estreito da febre”, para significar que deveria passar apertadamente pelo sofrimento durante a enfermidade.

                   5. We think that Paradise and Calvary, Christ’s cross, and Adam’s tree, stood in one place. Look, Lord, and find both Adams met in me; as the first Adam’s sweat surrounds my face; may the last Adam’s blood my soul embrace. 

– Pensamos que o Paraíso e o Calvário, a cruz de Cristo e a árvore de Adão, ficam em um lugar. Oh, Senhor, procura e acha (aqui Donne está petulante) os dois em mim; o suor do primeiro estará na minha face; que o sangue do último Adão minha alma abrace.

                   6. So, in His purple wrapped, receive me, Lord; by these His thorns give me His other crown; and, as to others’ souls I preached Thy word, be this my text, my sermon to mine own; therefore that he may raise the Lord throws down. 

– Em Sua púrpura envolto, Senhor, dá-me a Sua outra coroa, em vez da do sofrer (Donne diz que a coroa de glória substituirá a coroa de espinhos). Como a outros, preguei a Tua palavra. Continua a ser meu texto e meu sermão, para eu mesmo ler, pois o Senhor derruba, a fim de soerguer”.

b)   “Hymn to God, the Father”

“1. Will Thou forgive that sin, when I begun, which was my sin, though it were done before? Wilt Thou forgive that sin, though which I run and do run still, though still I do deplore? When Thou hast done, though hast not done, for I have more.

O poeta, subliminarmente, põe o nome de sua família (Donne) neste verso.

          - Esquecerás o pecado quando eu começar a praticá-lo; que era o meu pecado, embora o tenha praticado anteriormente?

            Esquecerás o pecado, quando cometo e volto a praticálo, embora eu o deplore? Quando Tu o tenhas perdoado, ou isto não o tenhas feito, porque eu tenho mais pecado.

                   Agora, um exemplo de poesia profana (canção):

                   “Go and catch a falling star”

                   “If thou beest born to strange sights, things invisible go see, ride ten thousands days and nights, till age snow white hairs on thee; thou, when thou return’st, wilt tell me all strange wonders that befell thee, and swear nowhere lives a woman true and fair” 

– Se tens atração por visões estranhas, queres ver coisas invisíveis, precisarás de dez mil noites e dias (27 anos), até que a idade faça a neve cobrir tua cabeça com cabelos brancos; então, quando retornares, narrarás todas as estranhas maravilhas que te surpreenderam, e jurarás que em algum lugar vive uma mulher bela e pura.

                   Em 1945, Benjamim Britten (1913-1976) ao visitar um campo nazista para extermínio dos Judeus, teve a inspiração de compor nove músicas (opus 35) para sonetos religiosos de Donne para o VII escrevendo: “All whom the flood did, and fire shall overthrown, all whom war, dearth, age, agues, tyrannies, despair, law,

chance, hath slain, and you whose eyes shall behold God, and ne-

ver taste death’s woe” 

– Todos os que no dilúvio foram, e no fogo irão; todos que a guerra, a peste, a idade, o crime, os acasos, as tiranias, o desespero, a lei e a oportunidade mataram, e você, cujos olhos verão a Deus, nunca experimentarão o amargor -da morte.

                   No soneto religioso X, corajoso, Donne afirma:

“Death, be not proud” – Morte, não te orgulhes. ‘One short sleep past, we wake eternally, and death shall be no more. Death, thou shalt die”. – Morte, um breve sono a vida eterna traz, e vai-se a morte. Morte, morrerás.

                   A poesia de Donne foi descurada durante quase 400 anos; em sua juventude produziu os poemas profanos, ou excitantes; na velhice, os religiosos, ou calmantes.

                   Seu dualismo prenunciou a fragmentação cultural e espiritual dos tempos modernos. Pensamos, com Anniia Jokinen, que ainda enfrentaremos novos desafios e pressões, culturais e sociais.

                   Até a MPB (Música Popular Brasileira) garimpou na poesia profana de Donne (elegia XIX: “all rest my powers defy” - Meu corpo desafia todos os ócios – 1620): a versão de Augusto de Campos, musicada por Péricles Cavalcanti, deu (em 2020, depois de 400 anos) a chancela à linguagem malemolente, na voz de Caetano Veloso.

                   Se o prezado leitor tiver conhecimento de algo escrito por John Donne que possa ser aproveitado na hinodia evangélica, sua contribuição será muito bem recebida por mim.


                   Referências bibliográficas

Edições impressas

CARPEAUX, Otto Maria. História da Literatura Universal,

                                           Vol.3, 2ª. Ed. Rio de Janeiro:

                                           Alhambra, 1980.

GEORGE, Timothy. Lendo as Escrituras com os Reformadores.

                                 São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2016.

GRIERSON, HERBERT. Donne: Poetical Works. Oxford: 1933.

HILL, Christopher. O século das revoluções (1603-1714).

                                  São Paulo: Editora UNESP, 2012.

HUNT, C. Donne’s Poetry. New Haven, USA: 1955.

INSTITUTE OF HISTORICAL RESEARCH. Fausti Ecclesiae

                                 Anglicanae, Vol. 1. London: St.Paul’s, 1969.

JOKINNEN, Aniina. Donne Songs and Sonnets.

                                  Helsinki: 2000.

JOKINNEN, Aniina. Poems of John Donne, Vol.I.

                                  London: E.K.Chambers, 2014.

KUHN, Anne W. Early English Hymns of the Pre-Wesleyan Period.

                             Asbury Seminary, 1949.

LE HURAY, Peter. Music and the Reformation in England – 1549-

                                1660. New York, NY, USA: 1967.

PARKS, Edna D. English Hymns and their tunes in the 16th and

                            17th Centuries.

                            Yale University, 1935.

PARKS, Edna D. Early English Hymns: an Index.

                            Metuchen, New Jersey, USA: Scarecrow, 1972.

VIZIOLI, Paulo. John Donne, o poeta do amor e da morte.

                            São Paulo: Ismael Editora, 1985.

WEBER, V. Contrary Music. The Prose Style of John Donne.

                            Madison, 1964.

EVANGELICAL LUTHERAN HYMNARY, no. 498.

THE HYMNAL (1982), nos. 140, 141 e 322.

 

Edições eletrônicas

Canção “To ask for all thy love” – Nicholas Murray/Elizabeth

                                                            Kenny

Canção “Weep you no more” – Anne Sofie von Otter

Canção “Go and catch a falling star” – John Renbourn

Canção “I fear no more” – Anton Batagov

Coral “On the death of the righteous” – Jennifer Higdon

Elegia XIX – Caetano Veloso.

Hino “Hymn to God, the Father” – Pelham Humfrey

Hino – “To God, the Father” – Michael Tippet

Hino “Hymn to God, the Father” – The White Brothers

Soneto X – Charles Szabo.

                                      - x –

Brasília, DF, 27 de fevereiro de 2022. Roberto Torres Hollanda

http://www.nassau.mus.br/

http://www.hinologia.org/       http://poesiaevanglica.blogspot/


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...