quinta-feira, novembro 08, 2018

Três poemas de Durvalina Bezerra



O DEUS DE SEMPRE

Maravilho-me com o meu Deus,
Cada dia que passa vejo-o mais belo,
Mais bondoso, mais fiel.
Cada dia que o procuro o encontro me amando mais.
Cada dia o encontro mais completo, mais perfeito.

Oh! Amado de minha alma,
Como é bom ter-te conhecido!
Ainda melhor é que continuo a conhecer-te,
E sei que este conhecimento se perpetuará.

Alegro-me porque o conhecimento é progressivo;
Isto me faz querer-te e desejar-te mais,
Impulsionando a minha alma a buscar-te,
E incessantemente dirigir-me a ti.

Quando olho o ontem,
Deslumbro-me com o que fizeste:
Colocaste-me num plano alto demais
Para a pequenez da tua serva.

Hoje, conclamo os céus e a terra:
Venham, e eu contarei
O que ele tem feito por minha alma.
Hoje, o conheço mais!
Ele descortinou os seus tesouros,
Ele é mais meu, e eu sou mais dele.

Hoje, a satisfação é maior, pois assegura-me o amanhã.
Nada há que me inquiete,
Ele prepara-me morada eterna.
O amanhã será mais doce, ele não muda.
Será mais esplendoroso, altruísta —
Ele assegura-me um amanhã feliz!

Quando paro para contemplá-lo,
No ontem, no hoje, no amanhã, ele me diz:
Maiores coisas verás! São inimagináveis, indescritíveis,
Pela fé espero, pela fé antevejo, pela fé antegozo.

Sim, é o esplendor de Deus,
A perfeição absoluta da vida.
Por isso, o amo e amarei mais,
E o adorarei para sempre!


Clamemos

Clamemos: Aviva, ó Senhor, a tua obra!
Desce sobre o Brasil e aviva a tua igreja.
Faz arder a chama no teu povo.
Derrama do teu Espírito sobre a Europa, a Ásia e a Oceania.
Ateia o fogo do alto céu nas Américas e na África,
Como foi com os primeiros cristãos e
Como fizeste num passado mais próximo.
Desce, ó soberano Senhor.
Antes que a trombeta toque,
Antes que o fim venha, faz soar a tua voz.
Enche a terra com teu conhecimento.
Vem dos quatro ventos, ó Espírito de Deus,
E assopra sobre nós para que vivamos na tua plenitude!


Oh! Desejado

Oh! Desejado das nações,
Quem não desejaria a ti?
Rei bendito, Guerreiro forte,
Conselheiro capaz, Príncipe da paz!
As nações te desejam,
Porque o teu governo é de paz,
De justiça, de amor e de esperança!

Elas te desejam. E nós,
Que já saciamos a nossa
Sede em ti, não atentaríamos
Para o seu desejo?
Desejamos-te para todos os povos!
Ajuda-nos no compromisso de cumprir-lhes
O desejo, para que apenas o
Desejo de adorar-te seja o único desejo
De todas as nações da Terra!

Do livro A Missão de Interceder (Editora Descoberta).


terça-feira, outubro 30, 2018

400 Frases sobre o Livro e o prazer da leitura - E outros livros para sua edificação


O livro é a porta para o que é o homem, o que é humano. É o testemunho máximo de nossa história e evolução, raízes e anseios – e nosso alcance. Faltam-nos palavras para descrever o livro. Bem, este é justamente um dos motivos desse livro sobre o livro (e sobre a leitura): coligir reflexões as mais diversas sobre o nosso amigo de todas as horas, bem como sobre o prazer que a leitura proporciona, oriundas de autores, tempos e culturas os mais variados.
A reflexão sobre o livro e o incessante e multiforme incentivo à leitura precisam estar na base, no “chão” da cultura, para que o edifício se erga e sustenha. Afinal, o livro é o objeto cultural elementar.
Pais e educadores, leitores e escritores, livreiros, editores, políticos, jornalistas – profissionais e amantes do livro e qualquer um preocupado com os destinos da educação e do próprio país encontrarão aqui um ferramental de boa e urgente reflexão. “Munições” para lembrarmos, celebrarmos e promovermos a cada dia mais a Sua Excelência, o Livro.
O livro encontra-se à venda apenas pela livraria AMAZON. Você pode adquirir o seu clicando AQUI.


Além deste livro, lançamos recentemente diversos outros pequenos e-books da Coleção 200 Frases, todos comercializados apenas pela Amazon. Confira os últimos volumes:


Neste breve volume estão reunidas quase 250 frases as mais diversificadas no tocante ao espírito, motivação, autoria e tempo em que vieram a luz; sérias ou hilárias, surpreendentes, cínicas e ácidas: a visão sobre a política, os políticos e suas generalidades pela voz de alguns séculos de sabedoria desenvolvida no contato, muitas vezes deletério, com esses artistas da empáfia – e sua nobre arte.
Adquira o seu e--book hoje na Amazon - apenas R$ 2,99.



Desde seus primórdios, o homem é narrador. Narrador, diga-se de passagem, irrefreável. Parafraseando Fernando Pessoa, talvez o nome máximo da Literatura em língua portuguesa, narrar é preciso, viver não é preciso. Mas, espere: A frase original (navegar é preciso, viver não) na verdade é do general romano Pompeu... Bem, aqui aprendemos uma lição capital sobre a Literatura e seu movimento eterno de retorno a si mesma, e(m) retroalimentação, reconfiguração. 
Desde o primeiro texto escrito, aquele que rompeu/transcendeu a cadeia da oralidade, foram muitas as voltas do parafuso. Nessa sucessão de revolições, a literatura ampliou seu espectro e sedimentou-se, tornando-se plataforma e maquinário máximos da expressão humana.
Nesta breve (meta)seleta, o tema é, claro, a própria Literatura. Aqui, escritores de todos os cantos e encantos, de diversas correntes - e até mesmo os desacorrentados - oferecem suas percepções sobre o que é afinal a Literatura, o processo da escrita, e exprimem seu amor - ou ódio - pelo texto.



Na multidão de pareceres aqui antologiados, o mistério da arte ganha máscaras e desnudamentos, num jogo de mistificação e desmistificação (chiaroscuro?) que dá a dimensão do grande e envolvente mistério que a arte representa.
Venha surpreender-se com os insights desferidos por alguns dos maiores nomes de todas as sete (ou nove? Onze?) artes.



Este e-book reúne uma coleção de frases coligidas de épocas e autores os mais diversos, no objetivo de formar um breve compêndio de sabedoria para iluminar e motivar o seu dia a dia e a sua vida.
“Upar”, termo advindo do mundo dos games, significa algo como elevar, tornar mais forte, ampliar o status (de um personagem). Daí o termo, já popular em nossa língua “dar um up!”.
Esperamos que você tenha uma boa leitura, e possa compartilhar esta pequena seleta e suas cápsulas de sabedoria com seus amigos!

quarta-feira, outubro 17, 2018

Passa para a glória o poeta João Tomaz Parreira


O poeta e escritor português João Tomaz Parreira passou hoje para a glória celeste.
Ao longo de décadas de significativa produção, Parreira (1947 - 2018) tornou-se talvez o maior poeta de confissão evangélica de nossa língua. Enquanto poeta, Parreira fez a difícil e honrosa opção de manter-se fundamentalmente fiel ao temário cristão, temário que ele trabalhou com maestria ímpar. Um esforço, raro entre os modernos, de contenção poética, depuração criativa.
Sua vasta produção está espalhada em livros impressos, e-books (a maioria dos quais tivemos a honra de editar), artigos em revistas e periódicos de ambos os lados do Atlântico, e nos mais diversos espaços na internet (blogs, sites, redes sociais etc.).
Junto com outro gigante, Joanyr de Oliveira, foi um dos promotores do movimento dito pela Nova Poesia Evangélica, que na década de 70 do século pregresso, veio insuflar vida e renovação em nossas letras.
É uma perda irreparável para a família, os amigos, a literatura e o próprio idioma. Pois quando morre um grande poeta, é a Língua quem sofre mutilação. No entanto, sua obra está em grande parte generosamente fraqueada a todos os interessados, que sempre contarão com o esplendor, a ternura e a maestria de seu verso.
João foi sempre um mestre e um apoiador, colaborador sempre prestimoso desde nosso primeiro contato; fez parte da primeira antologia poética que organizei e editei, Três Irmãos (onde coligi seus versos em consórcio com outros de Joanyr de Oliveira e Gióia Júnior).

Abaixo, o talvez último poema do autor, escrito ainda no hospital onde veio a óbito. Assim se despedem os poetas: de maneira magnífica.


Quando eu estiver mais cansado e a doença
Me der a tristeza das coisas belas, quando tiver
Apenas palavras para enxugar
Nos meus olhos as lágrimas, lerei
Os meus Salmos favoritos e os montes
Serão lagos de água clara no azul
Todas as montanhas são para subir
Lerei o trecho favorito
Da oração sacerdotal de Jesus Cristo
Onde deixou uma ponte entre nós e o Pai
E sentirei nos glóbulos doentes o valor
Da Graça bastante do meu Deus.


segunda-feira, outubro 15, 2018

Marcadores de página com utilidades cristãs - Baixe mais de 20 modelos


Olá amigos e irmãos! A novidade em recursos edificantes que apresentamos desta vez é uma série de marcadores de página, todos com temas de utilidade missionária. São ao todo sete temas, que você poderá baixar, imprimir e recortar.

Confira os temas:
  • Marcador com versículo motivacional e espaço de anotações para você inserir nomes de missionários, e nomes de povos e lugares por quem deve orar;
  • Uma série de 4 marcadores contendo um significativo resumo da história de Missões (linha do tempo), e dicas de livros sobre a história missionária da igreja;
  • Um modelo trazendo a Estrada Romana, que na verdade é um roteiro de versículos, apenas do livro de Romanos, apresentando o plano de salvação completo, para você utilizar como guia em sua ação evangelística;
  • Dois modelos de marcador contendo cada um cinco Esboços de Sermões Missionários diferentes;
  • Um modelo contendo de um lado Dicas (de atividades) para promover Missões em sua igreja, e do outro lado links para download de diversos materiais (livros, apostilas etc.) focados em mobilização missionária; 
  • Um modelo de marcador contendo uma ampla seleção de Versículos Missionários (a base bíblica de Missões);
  • Um modelo apologético, contendo de um lado as heresias e equívocos em que o catolicismo romano incorreu ao longo de sua história (e os versículos que os refutam), e do outro lado uma série de versículos para refutar algumas crenças das Testemunhas de Jeová.


E atenção: há alguns anos já havíamos elaborado uma série de nada menos que 17modelos de marcadores de página, todos eles com diversas utilidades e recursos cristãos, alguns também com temas missionários. Agora, para facilitar, reunimos num ÚNICO arquivo PDF esses 17 modelos, MAIS os novos modelos que apresentamos acima.


PARA BAIXAR O ARQUIVO COM TODOS OS MARCADORES PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

Lembramos aos irmãos que tais recursos NÃO PODEM SER VENDIDOS. São recursos de grande edificação e utilidade, elaborados apenas para proveito da Igreja de Cristo. Mas convidamos vocês a compartilharem o arquivo, bem como os marcadores impressos, com o máximo de irmãos ao seu alcance. Imprima quantos puder e distribua entre irmãos na fé!

FIQUE ATENTO: Todos os marcadores possuem dois lados (frente e verso); assim, você deverá recortar corretamente e dobrar cada um deles. Cada página a ser impressa consta na maior parte das vezes de dois marcadores (do mesmo modelo ou de modelos diferentes).

sábado, outubro 06, 2018

Como Queres?, poema de Gióia Júnior


COMO QUERES?

Inspirado em uma inscrição dos primeiros séculos da era cristã.

Sou o caminho e não segues,
sou a luz e tu não vês,
sou a água e tu não bebes
sou a verdade e não crês.

Sou o pão e tu não comes
o tronco e não és o galho,
não aceitas o meu nome
nem vives em meu trabalho.

Sou a paz - queres a guerra
contra mim sempre te elevas -
sou a luz que veio ao mundo
mas queres viver em trevas.

Como queres que eu te queira
te alimente Se não tens fome,
te salve se não me aceitas,
Teu Pai - não sabes meu nome?

Como queres que eu te cure
do crime da ingratidão
se blasfemas contra mim
e zombas do meu perdão?

Por isso vives sozinho
sem horizonte e sem luz.
Queres paz? - SOU O CAMINHO -
Queres vida? - ACEITA A CRUZ!

Do livro 25 Anos de Gióia Júnior

quinta-feira, setembro 13, 2018

Dois poemas de Eliúde Marques


Václav Mach-Koláčný - Três cruzes do Gólgota

VISÃO DO GÓLGOTA

Eu vi Jesus na cruz dependurado,
no rosto trazia espinhos cravados
e o sangue a correr.
Vi ali o sacrifício de um justo,
pagando nossa culpa a alto custo,
sem nada dever.

Eu vi na cruz o martírio de um santo,
que veio a este mundo sofrer tanto
por mim pecador.
Mas vi a glória brilhar na sua face,
perante o tribunal, num desenlace
do mal e do amor.

Meus olhos viram quando lá no horto
prostrado a orar no chão, já quase morto,
mas sempre a orar.
Velai comigo, pois estou sozinho,
Jesus clamava a todos com carinho:
- ficai a velar.

Eu vi su'alma a transbordar tristeza,
como também a eterna natureza
a chorar ficou.
E vi a dor nas plagas verdejantes,
por onde tanto Jesus passou antes
e onde tanto amou.

Vi o sofrer de sua mãe ao seu lado,
no rosto seu semblante transpassado
pela ingente dor;
de seus olhos as lágrimas rolavam
e em seu ser as dores aumentavam
por ver tanto horror.

Mas vi também a sua imagem pura,
surgir brilhante em meio à sepultura
no silencioso jardim:
Jesus ressuscitou em sua glória,
ali eu vi o auge da vitória
por isso a Ele vim.

Eu contemplei a vida do meu Cristo
do princípio até ao fim, e por isto,
O aceitei, então.
Tudo avistei quando regenerado,
prostrei-me ao chão tristonho e humilhado,
senti o seu perdão.

Tudo previ e foi esclarecido
a dor na cruz, o soluço, o gemido
que o meu Jesus sofreu.
Ele apagou, amigo, o teu pecado,
por isso atende agora o seu chamado,
porquanto o céu é teu!


JESUS - A SOLUÇÃO DO SÉCULO

Especialmente para o II Congresso Regional da Baixada Fluminense, promovido pela UMADER

Num mundo de trevas, dores, agonias,
onde já não se sente as alegrias
por causa do pecado e corrupção,
surge uma luz que logo se irradia:
é o bom Jesus que ainda em harmonia
vem nos dizer: Eu sou a solução.

Século de guerras, fome, tempestades,
terremotos, inquietude, crueldades:
corpos que tombam tétricos, gelados,
nas vias esquecidas das cidades.

É noite. A terra geme na penumbra
e um quadro de miséria se deslumbra
aos olhos da infiel humanidade.
Mas inda existe um povo peregrino
que a navegar com luz na escuridão,
é a bússola das gentes sem destino
dizendo que Jesus é a solução!

É o século da ciência e das loucuras:
espaçonaves sobem às alturas,
buscam seus astronautas as venturas
que dificilmente encontrarão.
Mas para encontrar o Deus que adoramos,
nas asas da oração logo voamos
e Ele nos diz: Eu sou a solução.

A Palavra de Deus está cumprida:
a Ciência quer mesmo dar a vida
com transplantes e inseminação,
mas se o homem quiser ser renovado
e ter a vida para todo sempre,
só em Jesus terá a solução.

O avanço do Universo neste século
comprova que Jesus não tarda a vir.
E se a miséria, os corpos mutilados,
a pestilência e a perseguição
vierem minguar a fé dos bons soldados,
Jesus dirá: Eu sou a solução!

Espraio a vista ao longo da jornada
e vejo bombas esterilizando a terra...
Noto o jato fatídico que passa
trazendo em seu trajeto para as massas,
a literatura que inflama a juventude
ao erotismo, às drogas, à desgraça
e a ânsia cresce no meu coração,
pois, medito que não temos levado
Jesus Cristo que é a única solução.

Agora volto o olhar à juventude
composta de talentos e virtude
e vejo a esperança aberta em flor.
A esperança que o mundo não conhece
e por esse motivo em vão padece
porque não sabe onde encontrar o amor.

Alteia o teu olhar, ó jovem crente,
até aonde chegar teu sonho ardente
e vê a nossa Pátria estremecida
no berço do pecado adormecida.

Vem despertá-la, tu. 6 juventude,
cheia de fé, amor solicitude.
Tu que és a esperança feita em preces
e que o vício e a indolência não conheces.
Vai às cidades, aos pampas, ao sertão,
lugares onde o vil pecado impera
e diz: ó meu Brasil, o Amor te espera,
se queres paz, lesos e a solução!

Alcemos, pois, a Bíblia em todo canto
e deixemos que o Espírito Santo
remova em nós a nossa vaidade.
E quando o fogo santo se acender,
a inflamante tocha de poder
há de operar em nós a santidade.

E agora unidos demos nossa vida:
humilde, consagrada e retraída
do mundo de pecado e corrupção,
a fim de que possamos de uma vez,
mostrar às multidões o amor que fez
Deus enviar JESUS — A SOLUÇÃO!

Do livro Primícias do Meu Jardim.


quinta-feira, agosto 30, 2018

Três poemas de Edna das Dores de Oliveira Coimbra



As vozes que eu ouço

São duas as vozes que eu ouço
E ambas são bem atuantes
Uma é amável e elegante
A outra, autoritária e arrogante.
As vozes que falam comigo
Relutam pelo meu abrigo
Uma quer trabalho e leitura
A outra, prazer e aventura.
Uma me chama pelo meu nome
A outra, sequer me chama, manda-me!
Uma me orienta que eu busque equilíbrio na paz
A outra me instiga a ser mordaz.
Uma tem sentimento de perdão
A outra, grande mágoa no coração.
Uma é dinâmica e altruísta
A outra, infrutífera e egoísta.
Uma me traz à memória, as minhas esperanças
A outra me recorda meus dias de lama.
Uma me deixa em situação de conforto
A outra, em atuação de confronto.
Uma canta lindas melodias de amor
A outra recita sua cartilha de terror.
Uma esquece as afrontas facilmente
A outra guarda todas diligentemente.
Uma não mede esforços
Em me conduzir à casa do Pai
A outra não desiste de bloquear meu caminhar.
Uma me diz que eu preciso me consagrar mais
A outra diz que é bobagem, bom mesmo é aproveitar.
Uma me fala de versículos bíblicos
A outra, de um passado triste.
Uma me leva a louvar
A outra, a amaldiçoar.
Quando desagrado à primeira
Ela me admoesta com firmeza
Quando não obedeço à segunda
Ela me trata com desprezo.
Estando neste dilema
Corro em busca de uma solução
Que traga tranquilidade
Para o meu caótico coração
Então abro o Evangelho
E medito na Palavra de Cristo
E nela encontro conselho
E plena certeza
De que com Ele estou livre.



Bendito seja Deus

Pelo sol que aquece
Pela chuva que refresca
Pelo fruto da terra
E pelo arco-íris suspenso na atmosfera
Bendito seja Deus
Pela lua que ilumina o viajante
Pelo brilho das estrelas que direcionam o itinerante
Pelas árvores que dão sombra
E pelo bordão que dá abrigo
Bendito seja Deus
Pelas mãos que abençoam o necessitado
Pelo abraço que conforta o angustiado
Pelo sorriso que contagia o exasperado
E pelos conselhos dos sábios
Bendito seja Deus
Pelas palavras que levantam o caído
Pelas orações que libertam o cativo
Pelo jejum que salva o oprimido
E pelos joelhos que se dobram a Cristo
Bendito seja Deus
Pelas ondas que se delimitam na praia
Pelas lágrimas que purificam a alma
Pela euforia de nascer e louvar ao Criador
E pelo júbilo de morrer e me apresentar ao Senhor
Bendito seja Deus



Refúgio

Quando pressinto que ele
Aproxima-se de mim
Corro em busca dos meus discos,
Meus filmes,
Meus livros.
Mas ele é implacável, atroz, desumano,
Arrancando de mim todo o interesse
Em ouvir, assistir, ler.
Então elevo os meus pensamentos
Ao Senhor,
Meu refúgio e fortaleza,
Porque sei que é Dele
Que me virá o socorro.
Sua Palavra me conforta
E o seu amor me acalenta.
E quando percebo
Já estou limpando os estragos
Que o furacão deixou.

sexta-feira, agosto 17, 2018

Três poemas de Elma Sales Morais


Vale mais

O abraço sincero
A palavra verdadeira
O silêncio companheiro
O olhar de atenção
Vale mais.
A humilde acolhida
O carinho a servir o pão
O sorriso fraterno
O aperto de mão
A comunhão da palavra
A linguagem do Salvador
O enlace dos pensamentos
A harmonia simples do amor
Vale mais.
A simplicidade do diálogo
Palavras de compreensão
A oração na roda de amigos
O sorriso aberto de gratidão
Vale mais.
A caminhada com o fiel amigo
O olhar que diz mais que palavras
A doação da graça que salva
A família de Deus reunida
Vale mais.
O presente sem merecimento
A aliança da salvação
A morte que nos trouxe a vida
Deus em nosso coração.
Vale mais. 

Encanto

Em um canto me encontro a falar com Deus 
Encantada com o silêncio na madrugada 
Sons de chuvisco a tocar o chão 
Canto de aves ainda na escuridão. 
Minha oração segue com a solidão 
Quero louvar a quem tanto amo 
Um Deus fiel que traz à minha alma doçura 
Deus que me ama e demonstra ternura. 
No meu canto entoo um canto falado 
De sublime gratidão a meu Deus amado 
Não mereço, pois, sou apenas pequena serva 
Que no coração, a palavra de Deus conserva. 
Entretanto almejo sair do canto 
E repartir essa paz tanto, tanto 
Com o outro que jaz em um triste pranto 
E não sabe como agir ao desencanto. 
Só não quero guardar para mim 
A alegria desse tão grande amor sem fim 
Que reflita por onde eu passar 
O prazer de com Cristo sempre caminhar. 



Eu Vejo Deus

Eu vejo Deus nas negras nuvens 
Que derramam lágrimas no chão 
No vento forte que assombra os vales 
Na força das águas que correm sem direção. 

No sol que castiga a humanidade 
Na seca que racha o solo sem piedade 
Na secura do tempo, que sufoca a ave 
Eu vejo Deus na brisa suave. 

No céu tão claro de azul límpido 
No orvalho fresco das manhãs 
Nas fontes de mananciais subtérreos 
No ontem, hoje e no amanhã. 

Vejo Deus em todo ser que respira 
No pensador, sábio e no tolo 
No impensante belo inocente 
No zumbido alegre de um besouro. 

Na mulher que carrega o fruto no ventre 
Na demência de quem já viveu lindas paixões 
Vejo-o nas cores do arco-íris 
Na miscelânea arte das emoções. 

Vejo-o na criança perdida nas ruas 
No mendigo que passa pedindo pão
No arco íris que esbanja a fartura
No Lázaro humilde de coração

Vejo em tudo a Sua majestade
O controle da vida está em suas mãos
Ele é que ordena o Sol e a Lua
O Senhor domina a imensidão.

A presença de Deus é perene
Força que transcende o mundo vão
Vida, energia, luz eterna
Alma, Espírito, coração.

Visite o site da autora: http://www.elmamorais.com

quinta-feira, agosto 09, 2018

Poemas sobre a Árvore reunidos em antologia gratuita


        O termo grego ανθολογία (antologia), significa “coleção ou ramalhete de flores”. Daí o latim florilegium. O termo florilégio encaixa-se bem ao presente trabalho, onde procurou-se coligir poemas sobre a árvore, esse centro e pilar da hera.
        E foi sorvendo de outas antologias, e ainda de livros individuais, revistas e websites, que coligimos aqui este singelo ramalhete de poemas sobre a árvore. Adicionamos ao volume uma pequena seleção de frases sobre o tema, e, em arremate, publicamos o texto integral (vertida sua grafia ao português hodierno) do poema A Destruição das Florestas, do múltiplo Manuel de Araújo Porto-Alegre (1806 – 1879). O poema, que veio à luz em 1845, é um significativo e precoce exemplo de consciência ambiental em nossa literatura.
        Uma antologia temática é uma chance sempre de a poesia penetrar em espaços outros que não os estritamente circunscritos aos apreciadores de poesia. Como antologista, confesso que prefiro, por motivos óbvios, trabalhar com temas ainda não contemplados, os quais infelizmente são muitos em nossa língua. Já assim fizemos em trabalhos como Segunda Guerra Mundial – Uma Antologia PoéticaBreve Antologia da Poesia Cristã Universal e Amor, Esperança e Fé – Uma Antologia de Citações, só para citar alguns trabalhos. Assim, qual a vantagem (ou vantagens) de debruçarmo-nos, agora, sobre uma outra antologia da árvore, já que nossa literatura possui obras neste viés? Acreditamos em algumas. A primeira, é de ordem da amplitude espaço-temporal: a coleta de um número significativo de textos, abarcando autores, se em sua maioria brasileiros ou lusos, também de outras literaturas do globo, e alguns deles de produção posterior às seletas precedentes; a segunda, por suprimento de lacuna, visto que os predecessores são livros esgotados já de há boas décadas; e, por fim, nossa motivação principal: a democratização do conhecimento proporcionada por um livro que já nasce eletrônico e gratuito, o que permite um acesso fácil, amplo e permanente ao seu conteúdo. Afinal, em tempos em que “Meio Ambiente” alcançou o status de tema transversal a perpassar o ensino de todas as disciplinas escolares, auxiliar educadores em seu esforço para incutir o reconhecimento e a valorização deste ser áulico e basilar da Natureza, a árvore, naqueles corações sob sua jurisdição, torna-se nosso objetivo mais urgente.
        Além do elogio da árvore, presta-se aqui uma homenagem a nossos poetas de agora e de ontem, e de certa forma um serviço à literatura lusófona, pois toda antologia literária é antes de tudo isso - um serviço prestado a uma literatura e ao universo de seus usuários.
        Este é um livro gratuito. Como amante das árvores e da literatura, como professor e como antologista, é um prazer ofertar este livro a todos, com votos de que ele possa ser compartilhado livremente, para que alcance os fins a que se propõe.
                               
Sammis Reachers

Para baixar o livro (224 págs., em formato PDF) pelo Google Drive, CLIQUE AQUI.

quinta-feira, agosto 02, 2018

Dois poemas de Laercio Borsato



Uma melodia

Milhões de flores nos esperam nos jardins;
As searas, os campos, breve, estarão floridos;
Aves voam alto, nos folguedos divertidos;
Vislumbra-se, ao longe, a imensidão dos confins...

Da casa da colina, o riacho coleia o monte.
Suas águas cristalinas refletem o sol poente...
Nuvens brancas contrastam o azul do horizonte;
A noite veste o véu, a terra dorme contente...

Ouve-se, nas alturas, mavioso coral.
Louva e entoa o seu canto angelical.
Parece que essas vozes aos céus vão subindo...

De repente, a melodia fica quase inaudível.
Transforma-se num sussurro: doce... incrível!
Anjos fazem sinal: Jesus estava ouvindo!


Para minha mãe

Mamãe mostrou-me a primeira borboleta!
Estava do meu lado, observando-a voar...
Meus primeiros passos, tombos e piruetas
Foram para ela algo espetacular!

Mostrava-me o sol, estrela, lua, cometa:
Obras de meu Deus, Senhor da terra e mar...
Ministrava modos, costumes, etiqueta;
Em dado momento, como devia me portar,

Na igreja, na rua, na escola, na sociedade,
Com vizinhos, colegas, ou nova amizade...
Conhecia o mundo, "meu desconhecido!"

Por crer no amor supremo, ao certo previa:
Se não soubesse tudo, Deus lhe proveria
Bem maior conhecimento que dos entendidos!

Via Revista Alvorada

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...