terça-feira, agosto 04, 2020

ESTA LÃ DE SAL: Livro do poeta Luiz Guilherme Libório


Desde algum tempo tenho acompanhado a "eclosão" de um jovem autor, senhor de uma poesia de grande potência, bem acima da média num meio em que, infelizmente, a mediocridade (ainda) opera suas obras. Foi um refrescante e benfazejo encontro com uma poesia singular, de um apurado operador da palavra - e o surgimento de um poeta assim (embora já em seu quarto livro) é sempre de uma felicidade abençoada e abençoadora. 
O advento do livro ESTA LÃ DE SAL vem confirmar, com rigor, toda a riqueza expressiva deste poeta que, com criatividade e domínio de sua arte, emprega a pena em devoção e afirmação de fidelidade ao Senhor - Poeta primeiro, inspiração e fonte donde todo bem emana. 
O livro, de 110 páginas e publicado pela editora Penalux, é todo ele uma celebração da VIDA, assim, em capitulares, da VIDA maiúscula que rasga véus e rompe as muitas sombras que cerceiam a alma humana.
A obra pode ser adquirida diretamente com o autor. Escreva para seu e-mail: luizliborioalves@hotmail.com

O autor também mantém uma conta no Twitter:
https://twitter.com/librorum_luiz 

Três poemas do livro:

Senhor, Senhor, não enxugai

Essa esperança é para nós como âncora
da alma, firme e segura, a qual tem pleno
acesso ao santuário interior, por trás do véu.
– Hebreus 6:19

Senhor, Senhor, não enxugai
todas as minhas lágrimas
deixai que algumas evaporem
no hálito de existirem dias
e na garoa de haver noites
se esta for
a Vossa Vontade, Senhor
pois há um choro
que guardo para o Teu dia
e aquele de glória lapida-se
nestes de serena alegria
um choro
que só ousa chorar
o pequeno barco
que se tivesse âncora
afundaria
e por isso é ancorado
por Deus
e que ainda chora
em pensar na maior beleza
com a mágoa de não sê-la
ainda, esse choro suave
em haver Beleza
e não sê-la
ainda.



Esta lã de sal

Ide; eis que vos envio como cordeiros para o
meio de lobos.
– Lucas 10:3

O sal da terra, este selo
fluindo de olhos rasos
às margens do peito

sela de coragem o hiato
que engendrava cansaço
nos tímidos cordeiros.

Cada gota então brilha
como uma flor de suor
novíssima maravilha

mesmo se a pele soa
o som do açoite, noite
e masmorra adentro.



Oração Manhã

Ninguém tem maior amor do que este, de
dar alguém a sua vida pelos seus amigos.
– João 15:13

Deus, que vê minha fraqueza opaca
como se fosse de luz a coragem maior
e reluzente: não permita que eu parta
e seja minha morte um partir indiferente.
Permita que eu entregue o meu melhor
em holocausto aos que amo, de repente,
e na morte minha alma escorra feito suor
– carta contida no envelope da pele quente.
Ainda quente mas em breve fria. Permita,
Pai, tal alforria! Invadir o curso do projétil
que rumava ao peito da musa, solar ferida,
e, morrendo, salvá-la. Que torne-se fértil
a óssea dor! Faça, Senhor, útil meu último dia:
após ser duro viver, ser doce ver seguir a vida.

terça-feira, julho 21, 2020

Poesia Evangélica em Literatura de Cordel - Uma antologia para download gratuito



Mais que um simples estilo literário popular, o cordel é uma riqueza cultural ímpar de nossa nação. E digo nação e não apenas Nordeste, pois a sagacidade, a criatividade, a alegria e o humor do cordel têm atingido todas as regiões do Brasil, levado num primeiro momento pela mão de bravos migrantes, e depois ganhando vida própria em contextos e pelas mãos de atores não nordestinos. Não em vão o cordel foi reconhecido no ano de 2018 como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. A miríade de temas que o gracioso cordel abarca com inaudita liberdade faz dele um veículo de comunicação poderosíssimo, e uma ferramenta pedagógica de primeira ordem.
Esta seleta vem antologiar os versos de um panteão de autores cuja criatividade é insuflada pela sua fé – fé naquele nazareno cabra arretado que, com sua vida e seu sacrifício, proporcionou salvação gratuita para qualquer pessoa que nEle crer.
Em nosso país cristão, é natural que a fé atinja e repercuta por todas as artes, notadamente as populares. A fé protestante/evangélica, que representa um retorno aos valores bíblicos e apostólicos de inícios do cristianismo, é abraçada por cada vez mais pessoas por este Brasil de Deus, pessoas ávidas por um relacionamento mais próximo ao Redentor, e uma fé mais atuante e vívida. Foi o que aconteceu, em algum momento, com cada um dos poetas aqui antologiados. Se sua excelência artística permite a todos eles transitarem com desembaraço por qualquer tema a que se proponham, sendo tal característica um dos fundamentos de um verdadeiro cordelista, eles também falam com idêntica ou quiçá maior galhardia de temas da fé cristã que os move e sustenta. Compartilhar alguns desses verdadeiros tesouros do cordel é o singelo objetivo desta obra.
Este é um livro gratuito – um presente a você, leitor – e desde já lhe convidamos a compartilhá-lo de todas as maneiras ao seu alcance.

PARA BAIXAR O LIVRO PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

terça-feira, julho 14, 2020

A sabedoria de Gilbert Keith CHESTERTON num e-book gratuito


O polivalente e desconcertante Gilbert Keith Chesterton foi muitos - escritor, poeta, crítico de arte, jornalista, teólogo... Nascido em 1874 em Londres e falecido em 1936, sua vasta obra (apenas os livros beiram os oitenta) abarca desde os clássicos de seu pensamento crítico e apologético como Ortodoxia e O Homem Eterno até ficções como O Homem que Foi Quinta Feira, além dos muitos livros de seu renomado detetive, Padre Brown. Sua obra teve considerável influência sobre nomes que vão desde C. S. Lewis até Jorge Luís Borges.
Grande polemista e observador arguto da alma humana, Chesterton construiu sua obra celebrando a vida e o mistério do Universo, demolindo argumentos relativistas e opositores de ocasião. Seu raciocínio por vezes (e este é um de seus encantos) trilha caminhos inesperados. É preciso estar atento: A ironia e o paradoxo são as constantes em muito do pensamento do autor. 
Aqui, um pouco da verve, da luminosidade e da espirituosidade do gigante (1,93m) peso-pesado (130kg), que era chamado não sem razão de “o príncipe do paradoxo”.

PARA BAIXAR O LIVRO PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

sábado, julho 04, 2020

Dois poemas de Natalina Araújo da Hora



DEUS

Deus é amor, Deus é alegria
Deus é paz, Deus é sabedoria.

Deus é todo infinito,
Ele é todo o meu ser;
Para mim,
Ele é todo o meu viver.

Deus é minha vida,
É meu amigo, é o meu pão,
Ele é minha alegria
Na minha solidão.

Deus é tudo que eu quero,
É tudo que adoro;
Sem ele, nada sou,
Na sua presença sempre choro.

A Ele eu me humilho,
E também peço perdão
Por tudo que eu não posso ser,
Porque aqui quero viver
Como filho de Abraão.


QUANDO ESTÁ ESCURO

Quando o céu está escuro
A Lua não pode brilhar,
É como a vida do crente
Que a Deus não dá lugar.

Como é triste se notar
O céu se escurecer,
Ele quer lhe dar a paz
Se a Ele obedecer.

O crente obediente
É como o clarão no céu,
É olhar no Oriente
E ver Cristo além do véu.

Eu contemplo muitas vezes
A diferença que existe
Entre uma noite de luar,
E outra escura e triste.

Quando o crente busca a Deus
Com amor e devoção,
Ele está se entregando
Com poder e mansidão.

Lá no céu tem um lugar
De paz e de amor,
Jesus quer te ofertar
É como um jardim de flor.

Vamos nós falar com Deus
Cada dia em nossa lida
Dando a Ele o nosso amor
Porque Ele nos deu a vida.

Do livro O Dom Que Deus Me Deu (Edicon, 1987)




domingo, junho 28, 2020

100 Citações de Santo Agostinho - Baixe o e-book gratuito


Nascido em Tagaste, no norte da África, em meados do século IV, Agostinho foi um dos mais importantes filósofos e teólogos ocidentais, sendo considerado mesmo o maior dentre aqueles eruditos chamados de “Pais da Igreja”. 
Sua obra antecipou temas da literatura, da ética e da psicologia que seriam debatidos e expandidos nos séculos seguintes. A beleza e a maestria de sua escrita, bem como a perspicácia de seu pensamento, fazem suas obras, como Confissões e A Cidade de Deus, serem tidas e celebradas como obras-primas da literatura universal.
Neste breve livro, reunimos um pouco do tesouro sapiencial deste que foi o mais humano dos “santos”, e pensador basilar da cultura ocidental.

Para baixar o livro pelo Google Drive, CLIQUE AQUI.

quinta-feira, junho 18, 2020

Dois poemas de Sueli Soares



É NO CEMITÉRIO

É no cemitério que iremos para a última morada aqui na terra
É no cemitério que deixamos nossos entes queridos
E no cemitério que também seremos deixados
É no cemitério que o corpo cremado ou não
Depositado na terra ou jazigo, e por mais que o caixão
e o funeral sejam de luxo todos se igualam
não há diferença de classe social
É no cemitério que acaba o orgulho, o egoísmo, o ressentimento, a inveja
A própria opinião, se achando rei da razão
É no cemitério que todos os sentimentos são enterrados junto àquela pessoa, tudo acaba ali
Que ao contrário, bom seria, se deixasse enraizados na memória de seus conhecidos
A bondade, amor, perdão, lealdade
e todas boas qualidades
Que ficam para sempre gravadas
(A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perversos cai em podridão - Provérbios 10:7)
É no cemitério que no momento do enterrar se fazem discursos bonitos
Colocam-se coras de flores, lançam flores tão lindas
Quem muitas vezes nenhuma flor deu em vida
Àquela pessoa
E como ficaria feliz essa pessoa
se recebesse essas flores e homenagens
Quando estava viva
Mas acabou... ali jaz alguém que não vai ver mais nada, não adianta mais nada
Tudo não serve de nada
E no cemitério que encerra todas as oportunidades
As reflexões muitas vezes também ali chegam
Do beijo que não se deu
Do perdão que não se deu
Do abraço e carinho... de expressar o sentimento.
Em dizer eu te amo
Acabou... agora é lamentar o que poderia ter feito
e não fez, e carregar o arrependimento
É no cemitério que ao sairmos de lá
deixando o ente querido
Enfrentamos o período do luto, lágrimas e lembranças a todo momento... Sentindo aquela dor terrível
Do vazio deixado
Que achamos que esse período nunca vai passar
Mas o Espirito Santo, só Ele faz amenizar a dor
e a saudade consolando o coração
com as lembranças daqueles que amamos
Por isso precisamos aproveitar o tempo pela frente
Aproveitar as pequenas e grandes oportunidades de estarmos juntos
Amando, perdoando, sendo felizes e fazendo felizes aqueles que nos cercam
Não dando importância a coisas tão insignificantes e passageiras
Que não têm valor, não valem a pena
Porque a vida é apenas um sopro (Salmos 144:4)
Antes que nosso corpo em pó se fragmente
E o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que o deu (Eclesiastes 12:7)
E segue-se o juízo (Hebreus 9:27) onde cada um prestará contas a Deus.



NO CAMINHO ESTREITO, NÃO PASSA BAGAGEM

O caminho é íngreme
Até chegar à porta estreita
Também de grande dificuldade
Ao passar por essa porta
Porque é impossível carregar bagagens
Bagagens do orgulho, vaidade, ódio
Indiferentismo, o próprio “eu”
É preciso deixar cair um a um
Deixar para trás
Essas... e todas outras bagagens
que atrapalham de passar por essa porta
É preciso estar livre e leve
Das cargas e pesos que fazem distanciar
Do amor de Deus
Eu estou caminhando
Por esse caminho íngreme
Às vezes encontro pedras e espinhos
E mesmo com obstáculos
com minhas imperfeições
Vou caminhando
Não olhando para os lados
Nem para trás
Porque se eu olhar
Certamente não vou conseguir
sequer dar um passo

Por isso quero somente olhar
Para frente e para o alto, continuar caminhando
Atraída pela voz
Do Pai amado
Que me encoraja
Que me constrange
Com Sua Palavra
(Poucos são os que passam por ela. Mateus 7:14)
Não quero ser excluída
Quero estar entre aqueles
Que passam por essa porta
Que já deixaram as bagagens
Que já fizeram sua escolha...
(Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho. Mateus 7-13)
Não entrar pela porta larga
É ter sabedoria
É evitar caminhos da perdição
Caminhos da morte
Seja física ou espiritual
(Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte. Provérbios 14:12)
Entrar pela porta estreita
Vale a pena o resultado
Entrar pela porta estreita
É desfrutar de todas bênçãos do Senhor
Seja no presente
Seja no porvir

segunda-feira, junho 08, 2020

Ao Anjo da Igreja, Declama: Poemas aos Pastores de Deus - Baixe esta antologia gratuita


        “Apascenta as minhas ovelhas”. Quantos tremeram, quantos exultaram, quantos sentiram-se o menor ou o maior dos seres ao ouvir, compreender, ao alistar-se sob tal chamado? Função mais nobre dada a um homem, qual seja, socorrer, arrebanhar e guardar almas para o Reino de Deus, o ofício pastoral é encargo divino de capital importância e o de maior peso.
        Esta pequenina seleta reúne poemas que falam sobre ele, o guardião dos rebanhos. A maioria deles, por sinal, escritos por pastores-poetas (como o foi Davi), outros por membros vários do Corpo de Cristo. Eles prestam-se à leitura particular e também a celebrações, tais como o Dia do Pastor, efeméride em que honramos aqueles que à honra fazem jus (Rm 13.7).
        No Brasil, comemora-se o Dia do Pastor no segundo domingo de junho, data guardada pela maioria das denominações. Já o Dia da Esposa do Pastor comemora-se no primeiro domingo de março. Denominações há que possuem datas específicas para a efeméride: Os metodistas comemoram o Dia da Pastora e do Pastor Metodista no segundo domingo de abril. O Dia do Pastor Presbiteriano comemora-se em 17 de dezembro; a data refere-se à ordenação pastoral do antes padre José Manuel da Conceição, em 17 de dezembro de 1865, quando Conceição tornou-se primeiro pastor protestante nascido no Brasil.
        Um perigo que sempre ronda e fere a igreja (mesmo a reformada) é a idolatria, e o risco de determinados líderes serem idolatrados é encarado por alguns deles próprios com certa condescendência, o que coloca suas próprias almas em perigo. Em tempos midiáticos, tal risco torna-se literalmente “viral”. O pastor verdadeiramente digno de seu cargo e chamado deve redobrar seus cuidados no tocante ao tema. Deverá ter “calçados os pés na preparação do evangelho da paz” (Ef 6.15), tendo sempre por anteparo as “meias” da humildade (Fp 2.3). Os poemas aqui selecionados objetivam honrar não a “príncipes”, mas a serviçais, serviçais do Reino como todos nós, e jamais exaltar a “super-homens” – que é como alguns se creem e, pior, são cridos – que não existem e nem poderiam existir.
        Que este breve florilégio sirva de inspiração, consolo, confirmação, alegria e celebração do serviço destes (e, polêmicas à parte, destas) abnegados soldados de Cristo. A eles, nossa eternal gratidão.

Sammis Reachers

PARA BAIXAR O LIVRO PELO GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

sexta-feira, maio 29, 2020

Três poemas de Zenilda Reggiani Cintra


PÁSCOA: VAZIOS E PROMESSAS


Isto foi antes, antes da cruz vazia,
Antes do túmulo e da ressurreição.
Tudo era sem sentido e sem esperança,
A cruz era o castigo e o túmulo o fim.
Mas agora é Jesus, o nosso Redentor,
O que era e há de vir.
Quem preenche os vazios,
Com o seu tão grande amor.

A cruz está vazia,
mas cheia de promessas,
De vida e libertação.
Em Cristo somos livres,
da morte e  condenação.
Ele se fez pecado e a si mesmo se deu,
O véu se rompeu e houve escuridão,
Por seu sangue que verteu,
Ele nos trouxe a salvação.

O túmulo está vazio,
mas cheio de promessas,
Porque tudo recomeça
No encontro com o Pai.
Aleluia, ressurgiu! E não é vã a nossa fé.
Ao Cordeiro que foi morto,
Ao Rei que agora reina
Ao Nome sobre todo o nome,
Toda a honra e toda a glória.

Jesus esvaziou-se,
mas ele é a Promessa,
Do amor do Pai que nos alcança
Com seu amor e a sua graça,
A esperança e o seu perdão.
Vazios de nós mesmos,
do pecado e humilhados,
Com ele também morremos,
E seremos ressuscitados.

(Publicado em O Jornal Batista, 20abril2014)


PÁSCOA - LUZ NA ESCURIDÃO

Havia trevas sobre a face do abismo
E disse: haja luz!
No princípio era Jesus,
E Jesus estava com Deus,
E Jesus era Deus.
Todas as coisas foram feitas por Jesus
E sem Jesus nada do que foi feito se fez.
Em Jesus estava a vida
que resplandece nas trevas.


O povo que andava em trevas
viu uma grande luz,
Porque Jesus se fez carne
e habitou entre nós.
Deus nunca foi visto por ninguém,
Mas foi revelado por Jesus.
e todos quantos o receberem
deu-lhes o poder
de serem feitos filhos de Deus.


Houve trevas em toda a terra,
escurecendo-se o sol;
Quando o Cordeiro de Deus,
Que tira o pecado do mundo,
Foi ferido pelas nossas transgressões
E moido por nossas iniquidades.
Quando clamou em alta voz:
Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.
E expirou.


No domingo, ao despontar da luz,
as mulheres foram ao sepulcro.
A pedra estava revolvida
E não acharam o seu corpo.
Dois anjos disseram:
Por que o buscais entre os mortos?
Não está aqui, mas ressuscitou.
Ide e anunciai.


E Jesus se apresentou e disse-lhes:
Paz seja convosco!
Mulher, por que choras?
Não temais.
O néscios, e tardos de coração
para crer nos profetas!
Não convinha que o Cristo
padecesse estas coisas
e entrasse na sua glória?


E os discípulos disseram:
Fica conosco, porque já é tarde,
e a noite chegou.
E ele, tomando o pão, o deu a eles,
Que então o conheceram
e Jesus desapareceu.
E disseram um para o outro:
Porventura não ardia em nós o nosso coração
quando no caminho nos abria as Escrituras?


Era necessário que o Cristo padecesse.
e ressuscitasse dentre os mortos
E em seu nome se pregasse o arrependimento
e a remissão dos pecados,
em todas as nações.
Tudo foi escrito para que creiais
que Jesus é o Cristo.
Pois quem o segue não andará em trevas,
Porque ele é a luz do mundo.
(Publicado em OJB - 24mar13 - com alterações)


DIA DO PASTOR E DA PASTORA - POEMA

Ao redor do mundo, 
Seguem abençoados,
Os pés que levam a paz
e anunciam o Evangelho
da graça do Pai.

Homens e mulheres,
chamados pelo Senhor,
preparados e moldados.
Parceiros no cuidado,
da igreja e do seu povo.

Homens de Deus,
heróis da fé,
Que renunciam os acenos,
E a sedução deste século,
e seguem na visão
do santo ministério.

Mulheres de Deus,
heroínas da fé,
Que lutam contra a esperança,
com os olhos no seu Deus,
Que as chamou desde o ventre,
Para o santo ministério.

Homens e mulheres,
constrangidos por Jesus,
Que superam as barreiras
e edificam a igreja,
Combatendo o bom combate,
Para ver raiar a luz.

Levam a boa semente,
Em ventos contrários
ou aconchegados,
A tempo e fora de tempo,
Pastores e pastoras,
Que lutam sem cessar.

E enquanto eles caminham
O Senhor faz brotar,
Com seu amor e poder
A semente do Evangelho
Capaz de transformar
A vida do que crê.

Que o amor de Deus Pai,
A graça de Cristo Jesus
E o consolo do Espírito,
Sobre pastores e pastoras,
Os guardem para sempre,
Até à eternidade,
Nos braços do Senhor.

(Pra. Zenilda Reggiani Cintra, publicado em OJB 10junho2012)

Leia outros textos no blog da autora: http://caminhosdamulherdedeus.blogspot.com/

segunda-feira, maio 18, 2020

100 Pensamentos de Blaise Pascal - Baixe este livro gratuito


Matemático, físico, filósofo, teólogo: já desde a infância, o francês Blaise Pascal dava indícios de sua genialidade. E, nos apenas trinta e nove anos de vida, suas contribuições para a ciência e o pensamento universal foram fabulosas.
Nascido em Clermont-Ferrand, na França, em 1623, o precoce e constante esforço intelectual de Pascal contribuiu para a evolução do método científico, inaugurou novos campos de pesquisa na física e na matemática e levou até mesmo à construção da primeira máquina calculadora, chamada de Pascalina.
Aos trinta e um anos, Pascal passa por uma experiência espiritual de grande impacto em sua vida e obra, passando a dedicar-se com mais afinco à reflexão filosófica e teológica, sem descuidar de seus trabalhos científicos.
Neste breve livro, reunimos um pouco da sabedoria e perspicácia, muitas vezes desconcertantes, deste que foi um dos maiores intelectuais com que a humanidade já se viu agraciada. 

PARA BAIXAR O E-BOOK PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.


*   *   *   *   *

E baixe ainda os outros títulos da Coleção 100 Frases (clique sobre os títulos):

100 Frases de C. S. Lewis 
100 Frases de Liev Tolstoi 
100 Frases de Martin Luther King

E mais: 
PAZ em 200 Citações 
Frases UP! 250 Frases para motivar e iluminar o seu dia

segunda-feira, maio 11, 2020

10 Coisas Que Você Precisa Saber Sobre Deus e a Poesia – Leland Ryken

Gustav Klimt

http://monergismo.com/

  1. Deus espera que você compreenda e aprecie poesia.
Esta não é uma declaração tão polêmica quanto parece. Sabemos que Deus espera que compreendamos e apreciemos poesia porque cerca de um terço da Bíblia está em forma poética. Para começar, temos livros poéticos como os Salmos e os Cantares de Salomão. Depois, temos os livros proféticos, em que grandes porções são expressas de forma poética. Além disso, há o livro de Apocalipse, vazado sobretudo em imagens e símbolos. E, ademais, as epístolas estão saturadas de imagens e metáforas.
  1. Jesus é um dos poetas mais famosos do mundo.
Como Jesus nunca se proclamou poeta, não costumamos pensar nele como tal, mas esta é uma omissão. Os discursos de Jesus valem-se muitíssimo da linguagem poética: “vós sois a luz do mundo”; “eu sou o pão da vida”. Adicionalmente, os ditos de Jesus são altamente aforísticos, e a beleza verbal é um elemento eminente da poesia. Assim, se começarmos com o fato de que os discursos e os ditos de Jesus estão entre os mais famosos do mundo, e acrescentarmos nossa consciência de que essas declarações são altamente poéticas na forma, é apropriado pensar em Jesus como um poeta famoso.
  1. A poesia requer “leitura lenta”.
As duas declarações anteriores pretendiam conquistar uma recepção inicial favorável para a importância da poesia na vida cristã, e mais se seguirá, mas todo esse elogio será infrutífero para aqueles que jamais adquiriram a capacidade de ler poesia. A regra mais importante para ler poesia é simples: a poesia requer uma leitura lenta e meditativa. Isso não significa negar que outras técnicas de leitura precisam ser acrescidas à caixa de ferramentas das habilidades de leitura de poesia, mas qualquer um pode compreender poesia ao refletir sobre um poema e viver com ele por dez ou quinze minutos em vez de submetê-lo à leitura rápida que faz parte de nossa vida diária.
Poesia é um modo de pensar e sentir antes de ser uma forma de falar ou escrever.
  1. Todos são poetas em algum momento.
Essa, tampouco, é uma declaração revolucionária, mas, em vez disso, é algo facilmente comprovado. Todos fazemos poesia inconsciente ao longo do dia. Falamos metaforicamente do nascer do sol embora saibamos que ele não nasce de modo literal. Quando alguém faz uma oferta conciliatória, nos referimos a ela acenar um ramo de oliveira, mesmo sabendo que nenhum ramo de oliveira esteja à vista. Por que insistimos em falar metaforicamente? Porque num nível inconsciente sentimos que o discurso poético transmite a verdade efetivamente, e muito mais efetivamente do que a prosa literal.
  1. A poesia não é uma forma artificial de discurso.
A poesia não é nosso modo normal de falar e escrever, mas é importante afirmar que não é um modo artificial de discurso. Na história da literatura, a poesia antecedeu a prosa como forma consumada de escrever na maioria das culturas. O erudito literário Northrop Frye perguntava com razão: “Como isso poderia acontecer se a prosa fosse realmente a linguagem do discurso ordinário?”. Além disso, como particularmente defendia Owen Barfield, a maioria das palavras em nossos dicionários começou como imagens concretas e metáforas. Mais uma vez, não seria este o caso se a poesia fosse inerentemente artificial como modo de falar.
  1. Poetas falam uma linguagem própria.
O sentido das cinco afirmações anteriores é fazer a poesia parecer acessível e familiar. Este é um retrato inteiramente preciso da poesia. É acessível quando a abordamos do modo correto. Entretanto, não se ganha nada ao negar o fato óbvio de que a poesia difere da prosa cotidiana. Poetas falam num idioma poético. Esse idioma consiste primeiramente em imagens e figuras de linguagem. Poetas preferem o figurativo ao literal como modo de expressar a verdade sobre a vida.
  1. Poesia é uma forma de lógica.
Uma coisa que a poesia compartilha com a linguagem do discurso cotidiano é que é uma forma de lógica. A lógica depende de estabelecer relações precisas entre duas coisas. O poeta moderno Stephen Spender escreveu um ensaio memorável chamado “A formação do poema” no qual afirmou que “o desafio apavorante” que o poeta enfrenta é: “Será que consigo pensar sem a lógica das imagens?”. Na lógica da poesia, as imagens do poema hão de ser certeiras para encarnar as experiências retratadas. As comparações que constituem muito do idioma poético têm de ser comparações precisas. Se o luto com a morte de um ente querido é “a hora da passagem”, precisamos ser capazes de ver a precisão do vínculo.
  1. Poetas pensam em imagens e figuras de linguagem.
Poesia é um modo de pensar e sentir antes de ser uma forma de falar ou escrever. Poetas escrevem num idioma poético porque é assim que experienciam a vida e a registram. Precisamos reconhecer os poetas que possuem uma habilidade ausente na maioria das pessoas.
  1. A poesia é concentrada.
Uma das coisas que um poema busca é ser compacto. Como observado acima, isso quer dizer que não devemos ler um poema o mais rápido possível e seguir para nossa próxima atividade. Em vez disso, a compactação da poesia é o que exige de nós uma leitura lenta. Quando o fizermos, ficaremos maravilhados com o quanto um poema expressa num espaço compacto. C. S. Lewis falou das delícias linha a linha que a poesia tem. Ela oferece muito mais por linha do que a prosa. Isso faz parte de seu apelo, mas somente se aceitarmos a premissa da leitura lenta e contemplativa.
  1. A poesia é altamente artística.
Os próprios poetas reivindicam a beleza como seu território. Robert Frost chamava um poema de “uma performance em palavras” – uma performance comparável à do atleta ou do músico, admirada como exibição de habilidade. O poeta devocional vitoriano Gerard Manley Hopkins disse que a forma artística de um poema existe “por si mesmo e por seu interesse até mais do que o interesse de seu significado”. O corolário é que, como leitores, precisamos valorizar a beleza artística da poesia.

quarta-feira, abril 29, 2020

Três poemas de Cleber Montes Moreira



POEMA DO ABORTADO

Seria lindo ver a luz do sol,
E todas as cores e formas no mundo,
Viver a vida em sua intensidade
E desfrutar de Deus a bondade.

Tua voz seria a mais linda das melodias,
Teu abraço me sentiria tão seguro,
Em teu seio encontraria todo conforto,
Em teus conselhos meu norte e futuro.

Você seria a pessoa mais sublime;
Eu te reverenciaria por toda vida,
O teu nome seria para mim o mais doce...
Eu te chamaria MÃE, mas agora te chamo ASSASSINA.



EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO

Deus amado e bendito,
Deus de conforto e esperança,
Que ouve as preces dos aflitos
Que rogam com fé e perseverança,
Na confiança de que “aquele que pede, recebe”,
De que “o que busca, encontra”, 
De que “ao que bate se lhe abre”,
E em Ti descansa,
Responda as orações de teus filhos
E dai-lhes alívio.

Que nas tempestades conheçam a bonança,
Que nas enfermidades recebam a cura,
Que nas lutas revigorem a força
E nas agruras se deleitem com a doçura
Da bem-aventurança de confiar em Ti.

Que creiam, mesmo que não haja motivos,
Que prossigam quando tentados a desistir,
Que ao inimigo não deem ouvidos,
Mas persistam em te ouvir
Mesmo quando o silêncio for a Tua voz.

Que esperem quando não houver esperança,
Ainda que “tudo pareça perdido”,
Que a “loucura da fé” lhes traga a segurança
De quem não se engana e diz:
– Eu sei em quem tenho crido!


O SER CRISTÃO

O ser cristão
é ser diferente...
é ser,
de corpo e mente renovado,
ser aprovado
num mundo reprovado.

O ser cristão
é ser diferente...
é ser
que goza a unção da paz,
que traz aos corações
a bonança que a alma satisfaz.

O ser cristão
é ser diferente...
é ser
de coração amoroso,
piedoso para com o carente;
é ser fervoroso,
sempre, nas ações!

O ser cristão
é ser diferente...
não esquisito
nem ultrapassado,
é novo,
autêntico modelo,
exemplo encarnado de Cristo:
Imaculado Cordeiro.

O ser cristão
é ser manso...
Calmo, tranquilo e sereno,
é ser que aguarda
o acalanto do descanso no céu,
onde será ser pleno!

LEIA MAIS TEXTOS NO BLOG DO AUTOR: https://pastorcleber.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...