quarta-feira, junho 24, 2009

Um poema do Pr. Adelírio Mendes de Freitas

*
http://presentededeus.files.wordpress.com/2008/12/manjedoura.jpg


SONETO DE PALHA


O que perdi, perdi. O que ganhei não tenho,
Do mundo que não tem meu corpo despojado
Da alma que o Céu preza, e que já foi comprado
Por preço imensurável, na nudez de um lenho.

Se a rica manjedoura é pobre em palha e é ouro
O ouro já não paga, e a palha agasalhou
O rei que muitos reinos áureos conquistou
Viu-se na palha pobre o seu maior tesouro.

Quem tem no nobre ouro a palha vil rupestre,
Ante o ígneo olhar deste supremo mestre,
Embora em palha vã terá riqueza imensa.

Não há ninguém que o compre. Não há ninguém que o vença.
É vero o seu caráter, é firme a sua crença;
É ilusório o TER efêmero, ante o SER que permanece.

3 comentários:

ERNANE FREITAS disse...

OLÁ MEU IRMÃO, GRAÇA E PAZ!!

POXA VIDA, FIQUEI MUITO SATISFEITO EM VER UM DOS POEMAS QUE MEU TIO ADELÍRIO PRODUZIRA AQUI PUBLICADO.

VOU VER SE CONSIGO OUTROS, EM CONSEGUINDO LHE ENVIAREI BREVEMENTE.

LEIA [1ºCO.15.58]

OBRIGADO E QUE DEUS O ABENÇOE!

Ernane Freitas.
http://blogdoernane.blogspot.com/

Sammis Reachers disse...

Falou meu amado Ernane. Caso consiga mais textos, pode enviar!

Deus lhe abençoe.

Um abraço do Sammis

Gambino disse...

Bom dia
Entrei neste blogue porque estou á procura de um poema de Myrthes Matias que começa com: "Perdão Senhor, mas preciso desabafar..."
Se conhecer e me puder enviar eu agradeço muito, porque eu tinha este poema e não consigo encontrá-lo.
O meu endereço electrónico é:
anagambino@gmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...