quarta-feira, junho 25, 2008

Um poema de C. S. Lewis



A Prece Vespertina

De todas as minhas pobres derrotas e oh! de muito mais eu sei,
De todas as vitórias que aparentemente conquistei,
Da sagacidade que em teu favor demonstrar consegui,

À qual, enquanto pranteiam anjos, o auditório ri;
De todos os meus esforços, para a tua divindade provar,
Tu, que não concedeste um sinal, vem me livrar.

Pensamentos como moedas são. Que eu não confie, em lugar
De confiar em Ti, na imagem gasta de tua face neles a brilhar.
Dos pensamentos todos, até os que de acerca de Ti venha a ter,

Ó tu, Belo Silêncio, cai e vem libertar meu ser.
Do fundo da agulha e da estreita porta o Senhor,
Livrar-me vem do vão saber para a morte não ser meu penhor.

3 comentários:

v.carlos disse...

Eu tb já publiquei um poema do C.S. Lewis

Aqui

Sammis Reachers disse...

Ei vi, amado. Tentei mesmo conseguir a tradução completa do poema, mas não consegui.
Mas valeu pela dica!

Ângela disse...

Tem mais poesias de CSLewis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...